Rússia segue banida de Jogos Paralímpicos

Rússia segue banida de Jogos Paralímpicos

IPC mantém decisão, e presidente diz que país ainda precisa restaurar a confiança da comunidade esportiva

Por
Correio do Povo

Pyeongchang, na Coreia do Sul, vai receber os Jogos de Inverno em 2018


publicidade

A Rússia tem até setembro deste ano para cumprir obrigações estabelecidas pelo Comitê Paralímpico Internacional (IPC, na sigla em inglês) para reverter o banimento de toda a sua delegação na Paralimpíada de Inverno de 2018, em Pyeongchang, na Coreia do Sul. De acordo com a entidade, em comunicado divulgado ontem, a punição anunciada em agosto do ano passado, com base no escândalo de doping envolvendo atletas russos, está mantida.

A ausência de uma delegação importante por motivo de doping seria um marco histórico no esporte. Segundo o presidente do IPC, Philip Craven, um relatório atualizado da Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) fundamenta a decisão de manter o banimento, ainda que estejam sendo relatados avanços nos testes em atletas russos. “O relatório é motivo de otimismo, mas um número de critérios importantes ainda precisam ser cumpridos (pela Rússia)”, explicou. “Até o momento, há ótimos planos no papel, mas precisamos ver esses planos em ação e trazendo resultados concretos”.

De acordo com Craven, é preciso haver uma mudança cultural em relação ao combate ao doping na Rússia, com o estabelecimento de novos procedimentos para corrigir os erros revelados pelas investigações. “A Rússia precisa restaurar a confiança da comunidade esportiva mundial e provar a todos nós que a conquista de medalhas tem a ver com boas condutas morais e não com outras coisas”, diz. A Paralimpíada de Inverno de Pyeongchang vai de 9 a 18 de março de 2018.

Rumores dão conta de que Andrew Parsons, ex-presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), pode substituir Craven como presidente do IPC a partir de setembro .