Raphael Claus e Wilton Pereira Sampaio vão representar o Brasil na arbitragem da Copa do Mundo

Raphael Claus e Wilton Pereira Sampaio vão representar o Brasil na arbitragem da Copa do Mundo

Brasil terá também cinco auxiliares no Mundial do Catar, entre eles, a primeira mulher: Neuza Back, de Santa Catarina

R7

Wilton Sampaio, Neuza Back e Raphael Claus irão representar o Brasil na arbitragem da Copa do Mundo

publicidade

O Comitê de Arbitragem da Fifa anunciou nesta quinta-feira a lista de árbitros selecionados para apitar os jogos da Copa do Mundo do Catar. Entre os 36 nomes divulgados, estão os brasileiros Raphael Claus e Wilton Pereira Sampaio. Além deles, outros cinco auxiliares do Brasil também estarão no Catar, entre eles Neuza Back, sendo a única mulher representando o país no Mundial. 

Além de Neuza Back, os auxiliares brasileiros escolhidos foram Bruno Boschilia, Rodrigo Figueiredo, Danilo Simon e Bruno Pires. Segundo a Fifa, os 36 árbitros, 69 auxiliares e os 24 nomes selecionados para comandar o VAR (arbitro de vídeo) foram escolhidos em colaboração com as seis confederações (Conmebol, Uefa, Concacaf, CAF, AFC e OFC).

O critério usado na seleção levou em conta a qualidade dos profissionais, além da performance em torneios da Fifa, assim como o trabalho desempenhado em competições nacionais e internacionais nos últimos anos.

"Como sempre, o principal critério que utilizamos foi a qualidade, e os árbitros selecionados representam o mais alto nível da arbitragem mundial", afirma Pierluigi Collina, histórico árbitro da década de 1990 e 2000 e presidente do Comitê de Arbitragem da Fifa. "A Copa de 2018 foi um sucesso muito por conta do alto padrão dos árbitros, e nós vamos nos esforçar ao máximo para que esse nível seja ainda melhor no Catar", emenda.

Melhorias em relação a Copa de 2018

O processo de seleção começou um ano depois do Mundial da Rússia, em 2019, com mais de 50 trios de arbitragem sendo observados como possíveis candidatos e passando por uma preparação intensa. A pandemia do novo coronavírus, no entanto, atrasou o planejamento da Fifa, mas a Fifa assegura que toda a preparação pensando na Copa será feita com os profissionais escolhidos. 

"Graças a programas inovadores de suporte e rastreamento, todos os árbitros poderão ser supervisionados pelos instrutores da Fifa de forma mais próxima e intensa do que em outras edições. Esse é um fator importante, pois nos permite melhorias e progressos consideráveis na Copa do Mundo deste ano", explica Massimo Busacca, diretor de arbitragem da Fifa. 

"Somado a isso, teremos programas feitos sob medida, pensando, particularmente, na saúde e condicionamento dos árbitros. Cada um será cuidadosamente monitorado nos próximos meses e será feita uma análise final a respeito das condições técnicas, físicas e médicas dos profissionais, para que todos cheguem no melhor desempenho quando a bola rolar no Catar",  comenta Busacca. 

Os árbitros selecionados participarão no meio do ano de diversos seminários (Em Assunção, Madrid e Doha), para revisar e analisar vídeos de situações reais de jogo, e estarão presentes em sessões práticas de treinamentos juntamente com jogadores, o que será fundamental para os participantes receberem feedbacks instantâneos dos instrutores.

"O foco principal da preparação é proteger os jogadores e o espetáculo, além de desenvolver consistência, uniformidade, leitura de jogo de uma perspectiva técnica e tática. Não podemos eliminar todos os erros, mas faremos de tudo para reduzi-los ao máximo", completa o diretor de arbitragem. 

Veja Também

 


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895