Brasil empata com Equador pelas Eliminatórias, em jogo com arbitragem confusa
patrocinado por

Brasil empata com Equador pelas Eliminatórias, em jogo com arbitragem confusa

Jogo que terminou 1 a 1 teve duas expulsões e dois cartões vermelhos “anulados” pelo VAR para o goleiro Alisson

Correio do Povo

Brasil empatou em jogo com arbitragem confusa

publicidade

Já classificado para a Copa de 2022, o Brasil empatou com o Equador em 1 a 1, fora de casa, na noite desta quinta-feira. A partida foi marcada por uma arbitragem confusa do colombiano Wilmar Roldán, que expulsou um jogador de cada lado ainda no primeiro tempo. Ele também errou duas vezes ao dar o segundo amarelo para o goleiro Alisson. Nas duas oportunidades, o VAR entrou em ação para corrigir e evitou o cartão vermelho.

Os gols foram marcados um em cada tempo. Logo aos 5 minutos, Casemiro abriu o placar para a Seleção. Na etapa final, Felix Torres definiu o resultado. O goleiro Domínguez, do Equador, e o lateral direito Emerson Royal, do Brasil, foram expulsos ainda no primeiro tempo.

Sem a grande estrela Neymar, lesionado, Tite mudou o eixo da Seleção para suprir o esquema ofensivo através de Philippe Coutinho, Vini Jr., Raphinha e Matheus Cunha. O primeiro tento não demorou a chegar. Em cruzamento de Coutinho pela esquerda, Cunha tentou o cabeceio. A bola bate na zaga e sobra para Casemiro concluir para a rede aos 5 minutos e abrir o placar.

Um lance mais forte aconteceu logo aos 12 minutos. Ao disputar a bola na área após lançamento, Matheus Cunha é atingido na região do pescoço pelo goleiro Domínguez. O VAR foi acionado e confirmou o cartão vermelho para o arqueiro equatoriano. Para o Brasil, a vantagem dos 11 em campo durou pouco. Aos 19, Emerson atingiu a Estrada e, como já tinha amarelo, recebeu o vermelho. 

O estrago para a amarelinha poderia ter sido maior. Após rebater uma bola com os pés, Alisson acertou o rosto de Enner Valencia e foi expulso. Ao consultar o VAR, o árbitro voltou atrás e penalizou o ex-goleiro do Inter com apenas um amarelo. Dentro da cancha, o placar não teve alteração.

O VAR “salvou” o Brasil em marcação de pênalti pela primeira vez no jogo aos 13 minutos. Roldán viu pênalti de Raphina em Estupiñan, com um pisão dentro da área. Uma câmera no ângulo inverso, atrás do gol, verificou que não houve a infração e, ao consultar o vídeo, voltou atrás mais uma vez.  

A melhora do Equador no jogo, vista ao longo de todo o segundo tempo, deu resultado aos 29 minutos. Depois de cobrança de escanteio pela direita, o zagueiro Felix Torres subiu mais alto que a zaga brasileira e mandou para as redes. Alisson ainda chegou a tocar na bola, mas não evitou o empate. 

Já nos acréscimos, o árbitro voltou a expulsar Alisson. Ele assinalou pênalti após ter visto uma entrada de soco no jogador do Equador. Ao ser alertado pelo VAR, a imagem mostrou que, na verdade, mais uma vez o goleiro brasileiro acertou a bola. Sob fortes protestos dos equatorianos, anulou a infração e o cartão, e a partida terminou mesmo empatada em 1 a 1 em Quito. 


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895