Matheus Henrique revela surpresa com chamado de Tite: "Achei que era a olímpica"
capa

Matheus Henrique revela surpresa com chamado de Tite: "Achei que era a olímpica"

Em sua entrevista coletiva em Cingapura, jogador do Grêmio exaltou escola de volantes do clube e elogiou Maicon

Por
AE

Matheus Henrique elogiou escola formadora de volantes do Grêmio em primeira coletiva com a Seleção

publicidade

Um dos novatos convocados por Tite para defender a seleção brasileira nas partidas contra Senegal e Nigéria, Matheus Henrique admitiu ter ficado surpreso com a presença na lista. Nesta terça-feira, em Cingapura, onde a equipe se prepara e vai enfrentar as equipes africanas, o meio-campista revelou que até imaginava ter sido chamado para a seleção olímpica.

A razão para surpresa se dá pela precocidade de Matheus Henrique, de apenas 21 anos, com idade, portanto, para defender a equipe dirigida por André Jardine, que realizou a convocação na mesma data em que Tite chamou a seleção principal.

"A convocação para a seleção olímpica foi no mesmo dia, então estava achando que era para a sub-23. Agora tenho de aproveitar e desfrutar", disse Matheus Henrique, que neste ano foi titular na seleção olímpica que venceu o Torneio Maurice Revello, o tradicional Torneio de Toulon, na França.

Agora na seleção principal, Matheus Henrique tem seguido os passos de outros volantes gremistas. Afinal, antes dele, Walace e Arthur se destacaram com a camisa do clube gaúcho, depois se transferindo para o futebol europeu, além de terem sido convocados para a seleção brasileira.

Na sua entrevista coletiva em Cingapura, Matheus Henrique revelou que essa "escola" de volantes é tema de brincadeiras no Grêmio de outro jogador da posição, o experiente Maicon, de 34 anos, no clube desde 2015. "Ele fala muito que está vendendo todo mundo e ficando lá. O Maicon é excepcional, nosso líder, nosso capitão", afirmou.

Inspiração em Taffarel

Outro novato da seleção, o goleiro Santos também comentou sua estreia na lista de Tite e disse se inspirar em Taffarel. "O 'sai que é sua, Taffarel' é emblemático. Todo moleque já ouviu isso. Ele é referência para todos, exemplo para toda a molecada. Só cumprimentei, disse que já estava doido para trabalhar", afirmou Santos, que inicialmente será a terceira opção de Tite para o gol, atrás de Ederson e Weverton, mas que se destacou em treino de finalizações desta terça.

Goleiro Santos também vive primeira convocação da carreira. Foto: Lucas Figueiredo / CBF / Divulgação

Aos 29 anos, Santos vive o melhor momento da sua carreira. O goleiro do Athletico Paranaense é destaque do time que recentemente conquistou o título da Copa do Brasil.

Seu principal ídolo de infância, porém, parece ser Dida, outro goleiro com passagem marcante pela seleção, tendo sido convocado para as Copas do Mundo de 1998, 2002 e 2006 e sendo titular do Brasil na última delas. "Era ele que eu costumava ser quando criança. Eu tenho ele como espelho, porque é um cara que tem uma carreira vitoriosa, um exemplo a ser seguido", acrescentou Santos.

Na seleção, ele também reencontrou um antigo colega do Athletico-PR, Weverton. O hoje goleiro palmeirense foi o titular da meta da equipe curitibana entre 2013 e 2017, tendo Santos como seu reserva imediato e que depois o sucedeu na posição. E o goleiro destacou ser especial estar ao lado de Weverton, agora defendendo o Brasil.

"Eu conversei com o Weverton no dia da convocação. Ele me mandou mensagem parabenizando. Vai ser muito legal estar com ele, colhendo o que a gente plantou lá atrás", comentou.