capa

Seleção divide planejamento de ciclo e Tite vê "pressão maior" por Copa América

Técnico da Seleção prevê uma renovação gradual

Por
AE

Tite vê "pressão maior" por Copa América

publicidade

A novo ciclo de Tite à frente da Seleção Brasileira será dividido em três fases e terá sua renovação gradual dividindo espaço com uma formação mais forte voltada à conquista da Copa América de 2019, que ocorrerá entre 14 de junho e 7 de julho, em solo brasileiro. Assim, os 11 jogadores que não estiveram na Copa do Mundo da Rússia e foram chamados para os amistosos contra Estados Unidos e El Salvador talvez tenham menos chances a partir do início do próximo ano.

"A pressão (em ganhar a Copa América) é maior a partir do momento em que não se ganha a Copa do Mundo. O próximo passo é o mais importante", afirmou o técnico Tite após anunciar a lista de convocados na manhã desta sexta-feira, no Rio. Antes, o coordenador de seleções da CBF, Edu Gaspar, explicou que o planejamento para o atual ciclo foi dividido em três etapas, de curto, médio e longo prazos.

"No curto prazo teremos um leque maior de observação, para potencializar a equipe para a Copa América. Vai até o final de janeiro, com três convocações", disse Edu. "O médio prazo começa no final de dezembro e vai até o final da Copa América. Serão menos observações, e mais foco na Copa América. E o longo prazo será a partir do fim da Copa América."

Edu afirmou ainda que, a partir de janeiro, as convocações deverão trazer menos novatos de Seleção. E Tite explicou o critério utilizado para os amistosos do mês que vem, com 13 jogadores que estiveram na Copa e 11 que não estiveram. "Em cada setor a gente trouxe um atleta que esteve na Copa do Mundo e um que está chegando agora", disse. "Esse é o momento para um Pedro, que pela regularidade e desempenho, fala por si só. Pelo Lucas Paquetá, pela regularidade desde o início do ano. Pro Everton, por ser o goleador do Grêmio e o melhor jogador do Campeonato Gaúcho", exemplificou Tite.

Jogadores de três equipes que disputarão as semifinais da Copa do Brasil foram convocados - Dedé, do Cruzeiro, Fagner, do Corinthians, e Lucas Paquetá, do Flamengo. Assim, eles perderão uma das partidas do mata-mata. O único time semifinalista a não ceder jogador foi o Palmeiras. "Ficam prejudicadas as três equipes? Sim, ficam", comentou Tite. "Eu cheguei aqui como técnico de clube, e sei disso. A essência e minha responsabilidade é como atleta de Seleção, mas tem o outro lado. Por isso decidi trazer só um (de cada)." O treinador disse ainda que "podia ter trazido também o Bruno Henrique, que está em grande fase no Palmeiras", mas que para o momento optou por outros jogadores para o meio-campo.

Saia justa com a CBF

Ao ser questionado nesta sexta em relação ao fato de que a CBF acaba prejudicando clubes brasileiros ao manter em seu calendário nacional partidas próximas de datas reservadas pela Fifa para confrontos entre seleções, o comandante foi diplomático, mas admitiu que o agendamento de jogos de torneios do País nestas datas não é o ideal. "Há um espaço para aperfeiçoamento para que a gente tenha condição, mas também há um número de competições importantes e datas são necessárias", ponderou Tite. "Quando houver as finais, vai haver esse mesmo critério? Eu vou dizer que vou evitar, mas tem que pensar antes".

Para Tite, é possível ajustar o calendário. "Se puder ter uma situação de convergir para que a gente tenha condição de contornar, seguramente a gente quer o melhor", disse o treinador. "(É preciso) evitar esse conflito de datas importantes com a seleção brasileira. Tem espaço pra isso? Tem", completou.

A citação à final se deve ao fato de que as últimas datas Fifa do ano serão em novembro, em período justamente no qual estão marcadas para acontecer as fases finais da Copa Libertadores e as últimas rodadas do Campeonato Brasileiro. Uma possível "solução" para o caso seria trazer os amistosos daquele mês para o País. Essa possibilidade inclusive foi aventada pelo coordenador de seleções da CBF, Edu Gaspar, que mais cedo afirmou que a Seleção fará amistosos no Brasil em novembro ou, mais provável, em março, às vésperas da Copa América.