capa

Tite defende ida do pai de Neymar ao vestiário e volta a exaltar atacante

Na véspera de amistoso contra Honduras, treinador voltou a falar sobre momento vivido pelo jogador do PSG

Por
AE

Técnico falou mais uma vez sobre Neymar, na véspera do último teste da Seleção antes da Copa América

publicidade

Neymar foi cortado da seleção brasileira após lesionar o tornozelo direito durante o amistoso de quarta-feira contra o Catar, mas continua sendo assunto na equipe. Neste sábado, na véspera de outro duelo preparatório para a Copa América, agora diante de Honduras, o treinador defendeu a presença do pai do jogador, Neymar da Silva Santos, nos vestiários do Mané Garrincha logo depois de o jogador se lesionar.

Tite fez mais. Exaltou a atitude do pai de Neymar de estar presente ao lado do filho logo após a lesão. "Eu dei um abraço no pai do Neymar e disse: 'Você tem de estar do lado do seu filho'". Se eu estou lá em cima, eu desço do mesmo jeito. E dei parabéns, porque é uma relação humana, de pai e filho. De apoio. Não compete a mim julgar as outras coisas. Se fosse o Matheus (Bacchi, filho de Tite), eu ia descer", disse, em entrevista coletiva neste sábado.

A lesão encerrou uma turbulenta passagem de Neymar pela seleção, que incluiu a perda da capitania para Daniel Alves, uma leve lesão, e, principalmente, a acusação de ter estuprado uma mulher em Paris, além da contusão que o tirou da Copa América. Tite negou, porém, que a sensação seja de alívio pela turbulência de acontecimentos e polêmicas envolvendo o atacante estar mais distante da seleção.

O treinador preferiu exaltar a qualidade técnica de Neymar. "Sentimento é de preocupação com o lado humano para lidar com os problemas dele e de frustração por não ter o jogador que, para mim, é Top 3 no mundo. É esse jogador que a gente perde. Estou falando de atleta. Fora Cristiano Ronaldo, Messi, é ele", afirmou.

Para o amistoso contra Honduras, Tite escolheu David Neres como substituto de Neymar. O treinador, porém, admitiu a possibilidade de fazer outros testes na equipe, podendo até mesmo escalar Gabriel Jesus e Roberto Firmino juntos no ataque. "Deixa a competição acontecer. Ela pode ser com Gabriel e Firmino. Eu não sei, não sei. Futebol, às vezes, a equipe é um organismo vivo", comentou.