Zagallo recebe dose de reforço para idosos e defende vacinação
patrocinado por

Zagallo recebe dose de reforço para idosos e defende vacinação

Tetracampeão mundial, de 90 anos, recebeu a terceira dose da vacina contra a Covid-19

R7

Tetracampeão mundial, de 90 anos, recebeu a terceira dose da vacina contra a Dovid-19

publicidade

O tetracampeão mundial de futebol, Mário Jorge Lobo Zagallo, de 90 anos, tomou neste sábado a dose de reforço da vacina contra a Covid-19. Ex-jogador e técnico da seleção brasileira, Zagallo, que sempre fez questão de mostrar seu patriotismo, desta vez o fez defendendo a vacinação.

Com bom-humor, ele utilizou seu hábito de buscar termos com 13 letras, como o seu símbolo da sorte, para trazer uma mensagem de esperança: "Dose de reforço tem 13 letras", disse, na entrevista após a vacinação.

E completou, com argumentos sólidos, antes de repetir a comparação que já havia feito em 8 de fevereiro último, quando recebeu a primeira dose. Sem deixar de, novamente, encaixar sua superstição com o número 13.

“Coletivamente se todo mundo fizer (se vacinar) o índice de morte vai baixar, mas tem que ser geral. Tem gente que fica de máscara, parece que não está tendo nada. Zagallo vacina são treze letras, é uma boa”, disse.

Dose de reforço e repescagem

Os postos de saúde da prefeitura do Rio de Janeiro estão aplicando neste sábado a dose de reforço para idosos com 90 anos ou mais e pacientes com alto grau de imunossupressão a partir de 60 anos. Hoje também é dia de repescagem para pessoas com 20 anos ou mais.

A aplicação de segunda dose da Coronavac está temporariamente paralisada, até que sejam liberadas as 166 mil doses do lote suspenso para uso, de forma cautelar, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) até o recebimento das doses programadas pelo Ministério da Saúde, órgão responsável pelo envio de remessas.

A prefeitura do Rio passa a autorizar, a partir da próxima terça-feira, a realização de eventos em locais abertos, com lotação máxima de 500 pessoas. Já  boates, danceterias e salões de dança permanecem suspensos até que 65% da população tenham recebido a segunda dose da vacina contra Covid-19. Quando a marca for alcançada, esses estabelecimentos deverão funcionar com metade da capacidade.

A afirmação é do prefeito Eduardo Paes. “O decreto já autoriza algumas coisas e cria parâmetros. Quando a cidade chegar a 65% da população totalmente imunizada haverá novas flexibilizações.

Ou seja, está recolocado um planejamento de reabertura, a partir daquilo que foi definido pelo comitê científico. A premissa é sempre essa: se voltar a piorar, muda tudo novamente”, explicou.

Mapa de risco

A 37ª edição do Boletim Epidemiológico apresenta, pela primeira vez em 2021, o mapa de risco da cidade para transmissão da Covid-19 predominantemente na classificação amarela. Trinta das 33 regiões administrativas (RAs) da cidade do Rio estão no estágio de atenção de risco moderado no indicador que considera as internações e óbitos. As exceções são os bairros do Centro, Copacabana e Tijuca.

O secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz , disse que “nosso panorama epidemiológico é um dos melhores durante este período de pandemia. Temos uma redução muito importante no número de internações e de casos, e isso vai se refletir na redução de óbitos. A expectativa é que, com o avanço da vacinação na cidade, a gente siga com essa queda permanente nos próximos dias”.

Além dos óbitos e hospitalizações, casos notificados por covid-19 e os atendimentos na rede de urgência e emergência por síndrome gripal e síndrome respiratória aguda grave na capital também mantêm a tendência de queda sustentada.

Vacinação

A cidade do Rio de Janeiro atingiu, nesta semana, 60% da população adulta carioca com o esquema vacinal completo, e 98% com a imunização já iniciada. Quanto à população adolescente, a metade, totalizando 240 mil jovens, já recebeu a primeira dose da Pfizer, único imunizante liberado para esse público pela Anvisa.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895