Estados Unidos acabam com sonho de ouro brasileiro no vôlei feminino

Estados Unidos acabam com sonho de ouro brasileiro no vôlei feminino

Brasil não consegue fazer frente às favoritas, perde por 3 sets a 0 e fica com a prata olímpica

Carlos Corrêa

Na final, Brasil não conseguiu repetir outras boas atuações da campanha olímpica

publicidade

Dessa vez não deu. Apesar de uma campanha invicta no torneio olímpico, a seleção feminina de vôlei do Brasil chegou para a final contra os Estados Unidos na condição de desafiante, já que o favoritismo era das americanas. O que ninguém imaginava é que as adversárias venceriam a partida com tamanha facilidade. Em apenas 1h22min, as sobrinhas do Tio Sam fecharam a final em 3 sets a 0 (25/21, 25/20 e 25/14) e ficaram com a medalha de ouro, deixando a prata para o Brasil.

O bronze ficou com a Sérvia, que bateu a Coreia do Sul por 3 a 0 (25/18, 25/15 e 25/15). "Esse grupo veio para cá desacreditado. E eu volto pra casa orgulhosa de tudo que esse grupo fez", disse Fernanda Garay após a partida, observando de fato uma caminhada que superou todas as expectativas antes dos Jogos Olímpicos, ainda mais depois do corte da oposto Tandara, horas antes da semifinal, cortada por ter testado positiva para doping.

Os EUA venceram o primeiro set de ponta a ponta. Em alguns momentos, o Brasil até chegou a encostar e ficar apenas um ponto atrás, mas em nenhum momento a partida esteve empatada. Fernanda Garay, considerada uma das melhores jogadoras do Brasil durante toda a competição, foi bastante marcada pelas americanas, que mesmo abusando de erros no serviço, construíram uma vantagem confortável

No segundo set, depois de um início com o Brasil na frente, os EUA empataram e daí em diante dispararam. Em dado momento, tudo parecia praticamente perdido quando estava 19 a 8 para as norte-americanas. As brasileiras, no entanto, ensaiaram uma recuperação e a diferença que era de nove pontos chegou a cair para três no 22 a 19. Reação, porém, não foi suficiente para salvar o set, vencido pelos EUA por 25 a 20.

O Brasil foi para o terceiro set na obrigação de vencer - assim como eventuais outros três. Só que tudo foi muito parecido com o segundo,  com o Brasil largando na frente, mas tendo um apagão que custou o set (e a partida), no qual os Estados Unidos abriram uma larga vantagem, complicada de ser revertida, ainda mais quando as adversárias tiveram 11 match points a seu favor. De qualquer forma, a prata é um justo reconhecimento à campanha das brasileiras, invictas até aqui e que, a bem da verdade, tinham pela frente na decisão, as grandes favoritas. 

 


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895