Apesar de pressão dos EUA, Huawei mantém suas ambições
capa

Apesar de pressão dos EUA, Huawei mantém suas ambições

Empresa passou de 180.000 para 194.000 funcionários e em 2019 cresceu 19% em seus negócios globais

Por
AFP

Universidade Huawei teve que fechar suas 40 salas de aula físicas em janeiro

publicidade

Apesar da pressão norte-americana, a gigante chinesa de telecomunicações Huawei está avançando em seus projetos ambiciosos, como expandir seu campus para treinar seus funcionários cada vez mais numerosos. Os Estados Unidos tentam há 18 meses bloquear o fornecimento de semicondutores a esta empresa, que considera um risco à segurança nacional.

Mas, embora os funcionários da Huawei falem em "crise" em seu imenso campus localizado na cidade de Shenzhen, capital do sul da China, as ambições da empresa continuam a crescer.

A nova pressão dos Estados Unidos "naturalmente causou alguma preocupação", reconhece o vice-diretor da Universidade Huawei, Ryan Liu. "Mas eu trabalho para a Huawei há muitos anos e estamos confiantes de que a empresa nos guiará no caminho certo", afirma.

O Departamento de Comércio dos EUA disse na última sexta-feira que estava redobrando os esforços para impedir que a Huawei tenha acesso a semicondutores, chaves para seus produtos e cuja ausência colocaria em risco sua "sobrevivência", segundo a gigante chinesa. "Se mantiverem o espírito dessa decisão, isso terá um grande impacto sobre a Huawei", avalia Kelsey Broderick, analista da empresa de consultoria Eurasia Group, que considera baixa a capacidade do grupo de obter seus próprios semicondutores.

Enquanto isso, em Shenzhen, sede de várias grandes empresas de tecnologia chinesas, os projetos da Huawei estão avançando. A empresa passou de 180.000 para 194.000 funcionários e em 2019 cresceu 19% em seus negócios globais, apesar da pressão.

É o caso da expansão da "cidade europeia", um complexo onde vivem 25.000 funcionários, localizado próximo a um lago e que possui uma rede ferroviária própria com paradas com nomes como "Paris", "Bolonha" ou "Heidelberg", todos eles com arquitetura que lembra essas cidades. No momento, existem onze áreas temáticas desse tipo e outra está sendo construída. Já a Universidade Huawei se mudará em agosto para um lugar mais novo e maior, também no estilo "europeu".

Washington teme que o governo chinês use a rede de telecomunicações da Huawei em todo o mundo para espionar ou sabotar. A empresa deve se tornar líder mundial em tecnologia de Internet móvel 5G, e os EUA tentam convencer outros países a renunciar de seu material por questões de segurança.

O atual presidente da Huawei, Guo Ping, disse nesta semana que os Estados Unidos estão realmente agindo com medo de perder a hegemonia tecnológica para as empresas chinesas. Já conseguiram impedir que a empresa tivesse acesso ao sistema operacional Android do Google para seus telefones celulares, uma decisão que levou a companhia a criar seu próprio sistema, chamado HarmonyOS.

Nesse sentido, bloquear o acesso a semicondutores poderia melhorar o papel da HiSilicon, uma subsidiária da Huawei nesse setor. "Esse desafio criará um sentimento mais profundo de crise, mas nossa resposta é fazer bem o nosso trabalho e confiar que o trabalho árduo será recompensado", disse Liu.

A universidade Huawei teve que fechar suas 40 salas de aula físicas em janeiro por causa do coronavírus, mas as aulas on-line continuaram para seus funcionários na China, África, Europa e em outros lugares, e eles voltaram presencialmente em maio, disse Liu.

As aulas abordam questões como gerenciamento ou alta tecnologia, e cursos de duas semanas para novas contratações também são organizados sobre cultura corporativa e como lidar com a pressão.