Bill Gates deixa conselho de administração da Microsoft

Bill Gates deixa conselho de administração da Microsoft

Bilionário vai se dedicar a atividades filantrópicas para saúde, educação e mudanças climáticas

Estadão Conteúdo

Fundador da companhia já havia deixado sua presidência

publicidade

A Microsoft anunciou na noite desta sexta-feira que seu fundador e líder histórico Bill Gates vai deixar o conselho de administração da empresa para se dedicar às suas atividades filantrópicas, nas áreas de "saúde global, desenvolvimento, educação e ataque às mudanças climáticas". Em comunicado enviado a investidores, a companhia afirmou que Gates seguirá participando de suas atividades, como consultor tecnológico para o presidente executivo Satya Nadella.

Tendo fundado a Microsoft em 1975, ao lado do colega de faculdade Paul Allen, Gates comandou a empresa desde sua origem até 2000, quando se afastou do cargo de presidente executivo. Ele também permaneceu na presidência do conselho até 2014, justamente quando Nadella assumiu o posto. "Foi uma honra e um privilégio trabalhar com Bill ao longo dos anos e a Microsoft vai continuar se beneficiando da paixão técnica e dos conselhos dele no futuro", disse Satya Nadella, no comunicado.

Segundo a revista Forbes, Gates tem uma fortuna pessoal de US$ 103,6 bilhões. É o segundo homem mais rico do mundo, atrás apenas de Jeff Bezos, criador da varejista americana Amazon. Nascido em 1955, em Seattle, ele ajudou a forjar uma série de mitos por trás da indústria de tecnologia - como a dos líderes que criam empresas após desistir da faculdade (a Universidade Harvard, no caso) e de companhias que nasceram dentro de dormitórios estudantis.

Ele também liderou a Microsoft em capítulos decisivos de sua história, como a criação do Windows, o sistema operacional mais usado em computadores pessoais. Também esteve à frente da empresa na época do polêmico processo antitruste em torno do Internet Explorer, que fez a empresa perder tempo em meio a batalhas judiciais e não conseguir se adequar às novas eras da computação pessoal. Recentemente, Gates falou bastante sobre como errou ao não conseguir fazer a Microsoft ser forte na era dos dispositivos móveis. Durante o dia, as ações da Microsoft registraram alta de 14%, mas tiveram queda de 2,8% após a divulgação da notícia.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895