Cientistas revelam estudos sobre a 1ª inteligência artificial treinada para ser psicopata
capa

Cientistas revelam estudos sobre a 1ª inteligência artificial treinada para ser psicopata

Por

publicidade

Crédito: Divulgação / CP


Cientistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, sigla em inglês) revelaram o primeiro algoritmo de uma inteligência artificial (IA) treinada para ser psicopata. O IA foi apelidado de Norman, uma referência a Norman Bates, notório assassino em Psicose, de Alfred Hitchcock, filme dos anos 60. As informações são da revista Rolling Stone.

Norman foi treinado pelos cientistas Pinar Yanardag, Manuel Cebrian e Iyad Rahwan para interpretar imagens e criar legendas para elas. No entanto, a equipe do MIT expôs o IA exclusivamente a imagens violentas e perturbadoras. Após o período de “aprendizagem”, Norman foi submetido a um teste em que ele precisava dizer o que via em imagens abstratas, e o resultado foi assustador.

Ele interpretou uma das fotos como "homem é eletrocutado e morre", enquanto outro IA (que não foi submetidos a imagens violentas) interpretou a arte como "um grupo de passarinhos sentados no topo de uma árvore". Outra imagem foi legendada por Norman como "mulher grávida cai em construção", outro IA disse que eram "duas pessoas paradas uma ao lado da outra". Norman disse ainda que uma das imagens mostrava um “homem morto a tiros”, enquanto outro IA falou que era "um vaso com flores".

• Confira o teste realizado por Norman e outro IA

A proposta do experimento, de acordo com a equipe do MIT, era provar que os algoritmos da IA não são tendenciosos, mas que a forma como os dados são inseridos na inteligência artificial, ou seja, a forma como as pessoas fazem isso, pode alterar significativamente o comportamento de uma IA.

"Então, quando as pessoas dizem que os algoritmos de IA podem ser tendenciosos e injustos, o culpado geralmente não é o algoritmo em si, mas a forma como ele foi alimentado e os dados que ele recebeu", disse a equipe, que entende ainda que os algoritmos podem desconstruir preconceitos.