Empresa usa sistema Nuvem para levar água a mais pessoas
capa

Empresa usa sistema Nuvem para levar água a mais pessoas

Por

publicidade

Empresa dinamarquesa desenvolveu sistema para recuperar desperdício de água


Quando você tomou seu último gole de água? Alguns segundos atrás? Alguns minutos? Algumas horas? Talvez você nem se lembre. Mas, para 663 milhões de pessoas – quase uma em cada 10 – o acesso à água limpa não é uma questão de memória. Alguns arriscam suas vidas por ela: a cada 90 segundos, em média, uma criança em algum lugar morre de uma doença relacionada à água porque bebeu água suja.

A Grundfos, uma empresa dinamarquesa que desenvolve sistemas de água, quer fornecer mais água às pessoas por meio da nuvem. Todos os anos, a Grundfos produz 16 milhões de unidades de bombas hidráulicas. Ao conectar essas bombas ao Microsoft Azure e à suíte Azure IoT, a empresa criou uma solução de rastreamento e manutenção, que facilita a comunicação em tempo real entre as bombas e os consoles de monitoramento de seus clientes.

“As bombas e suas peças são uma parte importante de como você controla e monitora a água, seja limpa ou residual. Estamos em todo o ciclo da água”, diz Jens Hartmann, CIO e vice-presidente da Grundfos Holding. "Temos um papel importante na resolução do problema da água no mundo”, diz Hartmann. Tudo começa com a preservação desse líquido precioso. Todos os dias, cerca de 45 bilhões de litros de água são perdidos em todo o mundo devido a brechas ou vazamentos de canos, segundo a Grundfos. Interromper esses vazamentos forneceria água a quase 200 milhões de pessoas por dia.

As bombas da Grundfos conectadas à nuvem buscam identificar quando e onde a água está vazando, isolando rapidamente os canos quebrados. Eles também pretendem realizar a manutenção preditiva e consertar as bombas de águas residuais muito antes de falharem, diz Hartmann. “Quando uma bomba de águas residuais quebra, a água pode derramar e subir vários metros de altura. Esse erro pode ser uma bagunça em termos de limpeza e reparo – um trabalho muito maior em comparação com a realização de manutenção preventiva”, diz Hartmann.

Por meio da tecnologia de monitoramento, os técnicos da Grundfos também podem agir em tempo real para proteger o saneamento de água em uma emergência. Imagine usar dados meteorológicos preditivos para detectar o caminho de grande volume de chuva, permitindo o armazenamento seguro de água antes das tempestades, sugere Hartmann. Isso pode ajudar a minimizar inundações e doenças.

“Temos um ditado na Grundfos: Seja, Pense, Inove. Isso significa: estar no que você está fazendo, pensar sobre o impacto, inovar para o futuro”, diz Hartmann. “Essa afirmação existe há anos, abraçando a jornada inteira da empresa, incluindo aonde vamos depois.”

https://www.youtube.com/watch?time_continue=9&v=RURi-gw5dZE