Empresas de tecnologia buscam ajuda dos EUA ante escassez de chips

Empresas de tecnologia buscam ajuda dos EUA ante escassez de chips

Grupo inclui gigantes como Apple, Microsoft e Google

AFP

Grupo pediu ajuda ao governo dos EUA para impulsionar a fabricação nacional de semicondutores

publicidade

Uma coalizão de empresas de tecnologia recém-formada solicitou nesta terça-feira 50 bilhões de dólares em ajuda ao governo dos Estados Unidos para impulsionar a fabricação nacional de semicondutores ante a escassez crescente de chips. O grupo inclui gigantes como Apple, Microsoft, Google e dezenas de outras empresas e pediu que o Congresso libere fundos para a pesquisa e fabricação, classificando o esforço como essencial para a segurança econômica e nacional.

A coalizão explicou que busca fundos para a CHIPS for America Act, lei aprovada pelos congressistas no começo do ano. "Os semicondutores são o cérebro dos sistemas e tecnologias que permitem o crescimento econômico, a segurança nacional, a infraestrutura digital e a liderança tecnológica global dos Estados Unidos", assinalou John Neuffer, presidente e diretor executivo da Associação da Indústria do Semicondutor, cujos membros fazem parte da coalizão. "Os líderes de um amplo leque de setores cruciais da economia americana, bem como um grupo grande e bipartidário de congressistas em Washington, reconhecem o papel essencial dos semicondutores na fortaleza atual e futura dos Estados Unidos."

Veja Também

A escassez de semicondutores ameaça afetar uma variedade de setores da economia, desde celulares e consoles de videogame até automóveis. A situação aprofundou a crise de abastecimento, no momento em que a economia emerge da desaceleração produzida pela pandemia.

"A longo prazo, um financiamento sólido da lei CHIPS ajudaria os Estados Unidos a desenvolver a capacidade adicional necessária para contar com redes de abastecimento mais resistentes, que garantam que a tecnologia crítica esteja ali quando precisarmos dela", sugeriu a coalizão em carta aos líderes do Congresso.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895