Facebook compartilhou dados de usuários com fabricantes de smartphones
capa

Facebook compartilhou dados de usuários com fabricantes de smartphones

Por

publicidade

Rede social ainda admitiu que não fiscalizou como informações foram utilizadas | Foto: AFP Photo / Joel Saget / CP


Número de pessoas afetadas nesse caso não foi revelado

O Facebook admitiu para autoridades dos EUA que compartilhou dados de seus usuários com fabricantes de smartphones. Pior: a rede social assume que não fiscalizou o que era feito com essas informações. O caso foi revelado pelo jornal New York Times, que teve acesso a um comunicado enviado pelo Facebook ao Congresso americano no mês passado. A fiscalização frouxa foi detectada pela própria rede social em 2013 durante uma auditoria da PricewaterhouseCoopers aprovada pelo governo dos EUA. A falha, porém, nunca foi comunicada aos usuários afetados, muitos dos quais não deram permissão explícita para o compartilhamento de dados com terceiros. O número de pessoas afetadas nesse caso não foi revelado.

A rede social afirma que no começo de 2013 estabeleceu parcerias com sete fabricantes para que tivessem acesso a "Experiência Facebook, que facilitava o acesso a dados de usuários da rede social, incluindo nos smartphones. Essas parcerias ocorreram durante um decreto de 2011 do Federal Trade Commission, que funciona como a Anatel de lá (FTC) no qual a rede social tinha se comprometido a ceder apenas os dados necessários para os apps dessas companhias funcionarem corretamente.

Durante a auditoria, a PricewaterhouseCoopers investigou as parcerias com a Microsoft e a BlackBerry (na época, ainda chamada de RIM) e concluiu que existiam apenas "evidências limitadas" de que o Facebook fiscalizou as empresas de modo que atendessem as políticas de uso da rede social. Posteriormente, o Facebook estabeleceu diversas parcerias do tipo com outras empresas. A prática só começou a cair em desuso após o escândalo da Cambridge Analytica, no qual os dados de 87 milhões de usuários foram compartilhados com a empresa de marketing político durante o processo do Brexit e das eleições presidenciais dos EUA de 2016.

Sobre o caso com as fabricantes de smartphone, o senador americano Ron Wyden, que revelou a carta do Facebook para o New York Times, disse: "Não é o suficiente apenas aceitar a palavra do Facebook de que eles estão protegendo nossas informações pessoais". Já o Facebook disse: "Levamos muito a sério a ordem de consentimento do FTC e há anos nos submetos nossos sistemas a avaliações profundas". Grupos ligados à proteção de privacidade também estão criticando o FTC por não conseguir fazer valer o decreto de 2011.

* Fonte: AE