Facebook promete eliminar melhor o conteúdo de supremacia branca
capa

Facebook promete eliminar melhor o conteúdo de supremacia branca

Empresa tem recebido críticas que a acusa de estar mais focada na renda do que em proteger usuários

Por
AFP

Diretora de operações do Facebook disse que eles buscarão reforçar política nesse tipo de discurso de ódio

publicidade

O Facebook disse nesta segunda-feira que tomará novas medidas para eliminar o conteúdo que promove o nacionalismo branco e o separatismo branco depois que uma auditoria externa indicou que seus esforços foram "muito pequenos".

A auditoria, liderada pela defensora dos direitos civis Laura Murphy, indicou que a política do Facebook não foi ampla o suficiente para ir além de proibir "elogios, apoio ou representação explícitos" dessas questões. "Como resultado, permite-se que o conteúdo que causaria o mesmo dano [que o explícito] permaneça na plataforma", disse a equipe de auditoria de Murphy, ex-membro da American Civil Liberties Union.

Em resposta à auditoria de direitos civis, lançada no ano passado, a diretora de operações do Facebook, Sheryl Sandberg, disse que o Facebook buscará reforçar sua política nesse tipo de discurso de ódio. O grupo tem sido alvo de críticas que o acusam de estar mais focado em sua renda do que em proteger os usuários ou combater o engano, a intimidação e o assédio.

"O relatório de hoje recomenda que avancemos para incluir [na política de proibição] conteúdo que apoia a ideologia nacionalista branca mesmo que os termos 'nacionalismo branco' e 'separatismo branco' não sejam usados explicitamente", disse Sandberg em um comunicado. "Estamos lidando com isso, identificando slogans e símbolos de ódio relacionados ao nacionalismo branco e ao separatismo branco para melhor implementar nossa política".

O relatório é o segundo de Murphy, que realizou uma auditoria de direitos civis em maio de 2018, a pedido da rede social, que tem mais de 2 bilhões de usuários. "Embora este relatório de auditoria mostre que o Facebook está progredindo, ainda há muito trabalho a ser feito, e o Facebook reconhece isso", disse Murphy.