Filme da saga Star Wars é usado por sites maliciosos para aplicar golpes
capa

Filme da saga Star Wars é usado por sites maliciosos para aplicar golpes

Empresa de cibersegurança alerta para o risco de aparelhos serem infectados por programas maliciosos e para o roubo de dados de cartões de crédito

Por
R7

Estreia de "Star Wars: A Ascensão Skywalker" está sendo usada por sites fraudulentos para atrair vítimas

publicidade

A estreia no novo filme da saga, "Star Wars: A Ascensão Skywalker", nos cinemas nesta quinta-feira está sendo usada para aplicar golpes na internet. A empresa de cibersegurança Kaspersky identificou 30 sites fraudulentos que estão atraindo vítimas para instalar programas maliciosos em equipamentos e roubar dados do cartão de crédito.

Os filmes são um dos principais conteúdos que os usuários tentam acessar gratuitamente, o que cria estratégia fácil para ciberataques. As plataformas ilegais de streaming representam uma ameaça à segurança dos usuários, pois podem hospedar arquivos maliciosos disfarçados. 

O nome da franquia é usado para coletar dados de cartões de crédito das vítimas a partir de um suposto registro obrigatório para fazer o download ilegal. Os pesquisadores da Kaspersky descobriram também perfis em mídias sociais camuflados como contas oficiais do filme.

Os domínios dos sites usados no golpe copiam o nome oficial do filme e fornecem descrições completas e conteúdo de suporte, fazendo com que os usuários acreditem que o site está, de alguma forma, associado ao filme oficial.

Essa prática é chamada de ‘black SEO’ e permite que os criminosos promovam sites de phishing em resultados de mecanismos de pesquisa. 

"É de conhecimento público que cibercriminosos exploram temas populares e, neste mês, Star Wars é um ótimo exemplo. Conforme os atacantes conseguem colocar conteúdo e sites fraudulentos nos resultados das pesquisas, os fãs precisam ser cautelosos o tempo todo", afirma Tatiana Sidorina, pesquisadora de segurança da Kaspersky.

Em 2019, a Kaspersky detectou 285.103 tentativas de infecção contra 37.772 usuários que tentaram assistir os filmes anteriores de Star Wars, o que representa um aumento de 10% em comparação com o ano anterior. 

O número de arquivos únicos usados para atacar os usuários chegou a 11.499, com uma queda de 30% em relação ao ano anterior. Os dados mostram que, mesmo muitos anos após a estreia da saga, um número significativo de usuários ainda busca assistir as aventuras gratuitamente e acabam sendo atacados.

 

J. J. Abrams é o único cineasta, além de George Lucas, a dirigir mais de um filme da franquia. Depois de comandar “O Despertar da Força” em 2015, que bateu recordes de bilheteria, ele foi chamado de volta para este último título. O diretor Colin Trevorrow chegou a começar na produção do nono filme, mas por diferenças criativas foi desligado pela Lucasfilm. Abrams assumiu o posto e teve vários desafios, entre eles lidar com a morte da atriz Carrie Fisher, que interpretava Leia. Ela aparece no novo filme graças ao uso de material descartado do filme VII.