Foto de um ovo bate recorde de "curtidas" no Instagram
capa

Foto de um ovo bate recorde de "curtidas" no Instagram

Por

publicidade

Foto: Reprodução / CP


A foto de um ovo bateu o recorde de "curtidas" de uma postagem no Instagram, desbancado a fotografia da estrela das redes sociais Kylie Jenner, como forma de demonstrar o absurdo. A foto do ovo foi publicada em 4 de janeiro por uma conta chamada @world_record_egg. "Estabelecemos um recorde mundial de maior quantidade de "curtidas" no Instagram. Batemos o recorde mundial registrado por Kylie Jenner (18 milhões)! Conseguimos", diz a mensagem que acompanha a imagem do ovo, a única postagem da conta.

Nesta segunda-feira, por volta das 14h, a publicação havia obtido 30,1 milhões de "curtidas", 10 milhões a mais que o máximo registro anterior, da caçula do clã Jenner, Kylie. Kylie Jenner havia conseguido as 18,3 milhões de "curtidas" com o anúncio do nascimento de sua filha, Stormi, publicado em 6 de fevereiro de 2018.

 



 




Visualizar esta foto no Instagram.




 

stormi webster ????


Uma publicação compartilhada por Kylie (@kyliejenner) em






De 2010 a 2017, a imagem de perfil pré-determinada do Twitter foi de um ovo. Mas a rede social decidiu prescindir do ovo porque aos poucos se associou à atividade dos "trolls", usuários da Internet que publicam propositalmente mensagens provocadoras e ofensivas.

Contactado pela AFP, o dono da conta, cujo endereço de e-mail o apresenta como Eugene Egg, não quis revelar a sua identidade verdadeira, indicando apenas que mora em Londres. "Achei que seria uma experiência interessante tentar quebrar o recorde com algo o mais simples possível", disse Eugene Egg em um comunicado à AFP.

"Acho que também é uma maneira de falar sobre a cultura das celebridades e até que ponto é frágil e fácil de manipular". "Mas, sobretudo, achei que seria divertido se algo tão simples como um ovo pudesse ficar com o trono", continuou. Ao ser questionado sobre seu próximo projeto, Eugene Egg respondeu: "Tenho algumas ideias".

 

Fonte: AFP