Gigantes da Internet chegam a acordo para combater discurso de ódio

Gigantes da Internet chegam a acordo para combater discurso de ódio

Após protestos de celebridades, Facebook, Twitter e YouTube passaram a trabalhar juntos para criar uma série de novas diretrizes

AFP

Gigantes da Internet trabalham juntas para combater discurso de ódio

publicidade

As grandes plataformas da Internet chegaram a um acordo para combater os conteúdos que incitam o ódio, após um movimento de boicote por sua suposta "vista grossa". A divulgação foi feita pela Federação Mundial de Anunciantes (WFA) nesta quarta-feira.

O acordo - que inclui o Facebook, Twitter e YouTube - estabelece, pela primeira vez, uma série de diretrizes para identificar os discursos de ódio. Em julho, centenas de anunciantes suspenderam sua publicidade no Facebook em meio à campanha #StopHateForProfit, alegando que a rede deveria fazer mais para acabar com o ódio e a desinformação em sua plataforma.

No início deste mês, várias celebridades, como Kim Kardashian, Leonardo DiCaprio e Katy Perry, deixaram de usar Facebook e Instagram por 24 horas para enviar uma mensagem semelhante. "Facebook, YouTube e Twitter, em colaboração com especialistas em marketing e as agências reunidas na Aliança Global para Mídias Responsáveis, concordaram em adotar um conjunto de definições comuns para determinar o que constitui um discurso de ódio e outros conteúdos prejudiciais, assim como trabalhar juntos para monitorar os esforços da indústria para melhorar nesta questão crítica", disse a WFA em um comunicado.

O acordo inclui o desenvolvimento de critérios para detectar o discurso de ódio, o estabelecimento de uma supervisão independente e ferramentas para evitar anúncios com conteúdo prejudicial, acrescentou a WFA. Definir corretamente o que constitui o discurso de ódio evitará, segundo a WFA, que cada plataforma utilize seus próprios critérios, dificultando a decisão das empresas sobre onde colocar seus anúncios.

O fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, anunciou em julho o desejo da rede social de não transmitir esse tipo de discurso. A vice-presidente de marketing global da gigante da Internet, Carolyn Everson, elogiou o acordo nesta quarta-feira, pois fornece a todas as partes "uma linguagem unificada para avançar no combate ao ódio on-line".

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895