Nova ação aberta contra Huawei em Nova Iorque por roubo de segredo industrial
capa

Nova ação aberta contra Huawei em Nova Iorque por roubo de segredo industrial

Três novas acusações somam-se com outras 13 que a empresa já enfrenta há um ano

Por
AFP

Há quase um ano, em março de 2019, Huawei se declarou inocente das 13 acusações iniciais


publicidade

A empresa chinesa de telecomunicações Huawei foi acusada nesta quinta-feira perante um tribunal de Nova Iorque de três novas acusações federais por roubar segredos industriais e evitar as sanções americanas contra a Coreia do Norte. Estas acusações somam-se a outras 13 que a empresa já enfrenta há um ano por fraude bancária e alegada violação das sanções dos Estados Unidos contra o Irã.

Condenada pelas primeiras acusações em janeiro de 2019, a diretora da área financeira da Huawei, Meng Wanzhou, atualmente em prisão domiciliar no Canadá, aparece mais uma vez citada na nova ação, embora não esteja entre os acusados. A justiça canadense ainda não decidiu sua extradição para os Estados Unidos.

Tendo como pano de fundo a guerra comercial entre os Estados Unidos e China, a Huawei, a maior fornecedora mundial de equipamentos de telecomunicações, foi acusada pelo governo de Donald Trump de fazer espionagem para o governo chinês. Nesse contexto, os Estados Unidos pediram a muitos países que dispensassem a infraestrutura da Huawei para a implantação da nova rede telefônica 5G.

O promotor federal do Brooklyn, Richard Donaghue, disse no indiciamento que a Huawei estava envolvida no roubo de segredos industriais desde 2000 e que em 2013 implementou uma política interna que incentivava seus funcionários a "roubar informações confidenciais de concorrentes" ou agências nos Estados Unidos.

A acusação afirma que, por meio de sua subsidiária não-oficial Skycom no Irã, a Huawei evitou o embargo e obteve naquele país bens, tecnologia e serviços bancários americanos para seus negócios no Irã. "A Huawei também dava assistência ao governo do Irã instalando equipamentos de vigilância, incluindo os usados para monitorar, identificar e deter manifestantes nos protestos contra o governo de 2009 em Teerã ", acrescentou.

A promotoria de Brooklyn garante também que a empresa mentiu para as instituições que foram suas vítimas sobre seus negócios na Coreia do Norte. A Huawei negou laços com a Coreia do Norte, mas desde 2008 esteve envolvida em vários projetos naquele país também sancionados pelos Estados Unidos, segundo a acusação. A Coreia do Norte foi identificada nos documentos internos da empresa como "A9".


Há quase um ano, em março de 2019, a Huawei se declarou inocente das 13 acusações iniciais perante um juiz federal em Nova Iorque. No total, a nova ação inclui as 16 acusações. Cinco empresas são acusadas, todas subsidiárias da Huawei, além de Meng Wanzhou e outros executivos do grupo "que ainda não foram presos" e cujos nomes estão riscados na ata da acusação divulgada à imprensa.