Nove multinacionais aderem à proposta da Microsoft de reduzir pegada de carbono

Nove multinacionais aderem à proposta da Microsoft de reduzir pegada de carbono

Objetivo é compartilhar pesquisas e estratégias para permitir que todas consigam uma pegada de carbono neutro para 2050

AFP

Objetivo da iniciativa é compartilhar pesquisas e estratégias sobre como alcançar o carbono zero

publicidade

Nove multinacionais aderiram à iniciativa da gigante norte-americana de informática Microsoft para compartilhar suas pesquisas e estratégias com o objetivo de permitir que todas as empresas consigam uma pegada de carbono neutro para 2050. Chamada "Transform to Net Zero" (um conceito que remete à adoção de medidas autossustentáveis), essa iniciativa reúne atualmente a transportadora dinamarquesa AP Moller-Maersk, a rede de cafeterias estadunidense Starbucks, o grupo francês de alimentos Danone e a gigante do consumo em massa, a anglo-holandesa Unilever.

Também se juntaram a fabricante de automóveis alemã Mercedes-Benz, o grupo brasileiro de cosméticos Natura & Co, a fabricante norte-americana de equipamentos esportivos Nike e o grupo indiano de consultoria informática Wipro.

Essas organizações de vários países e setores industriais pretendem compartilhar suas informações e experiências sobre as melhores formas de reduzir as emissões de carbono e limitar o aumento da temperatura média da superfície terrestre para 1,5 graus Celsius, diz um comunicado publicado nesta terça-feira.

Ainda segundo a nota, manifestam seu interesse em investir em inovações e defender políticas públicas para alcançar este objetivo. A Microsoft já havia garantido em janeiro que sua pegada de carbono seria negativa em 2030.

"Nenhuma empresa pode enfrentar a crise climática sozinha", disse hoje um de seus representantes, Ben Smith, no comunicado. "É por isso que as grandes empresas desenvolverão e compartilharão as melhores práticas, a pesquisa e os resultados de suas experiências para ajudar todos a avançar", acrescentou.

A iniciativa, que conta com o apoio da associação norte-americana de proteção ambiental Environmental Defense Fund (EDF), está aberta para outros membros.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895