ONG austríaca lança ofensiva contra "cookies" na Internet

ONG austríaca lança ofensiva contra "cookies" na Internet

Organização exige que sites usem mecanismos que permitam que os usuários tenham as opções "sim" e "não"

AFP

ONG Noyb denuncia o "terror" dos painéis informativos sobre "cookies", que tornam a navegação na Internet "uma experiência frustrante"

publicidade

A ONG austríaca de proteção à privacidade on-line Noyb fez nesta segunda-feira um alerta a mais de 500 sites na Europa para o uso de painéis informativos de "cookies", os polêmicos rastreadores. "Pela lei, tem que aparecer claramente para os usuários a opção 'sim/não'", afirma a organização em um comunicado.

Com frequência, no entanto, é "extremamente complicado clicar em qualquer coisa que não seja o botão 'aceitar'", acrescenta. "Toda uma indústria de consultores e designers de sites desenvolve labirintos insanos de cliques para garantir níveis de consentimento imaginários", de acordo com Max Schrems, diretor da Noyb (acrônimo de "Não é da sua conta").

Esta organização não-governamental é famosa por ter conseguido vitórias legais relacionadas à proteção de dados pessoais. As estatísticas mostram que apenas 3% dos internautas estão realmente dispostos a aceitar os "cookies", mas que mais de 90% se veem pressionados a dizer "sim" porque é difícil rejeitá-los, explica a ONG.

Noyb denuncia o "terror" dos painéis informativos sobre "cookies", que tornam a navegação na Internet "uma experiência frustrante", além de contrariar o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), em vigor desde 2018.

Os ativistas apontam, inicialmente, 560 "sites" em 33 países, de gigantes como Google e Twitter a páginas locais muito consultadas pelos internautas. A ONG deu a estas páginas um mês para cumprirem a diretriz legal.

Se não se enquadrarem, a Noyb ameaça entrar na Justiça, recorrendo às autoridades regulatórias competentes.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895