Poltrona gamer que vibra conforme o jogo é apresentada na BGS 2019
capa

Poltrona gamer que vibra conforme o jogo é apresentada na BGS 2019

Setup de R$ 80 mil chama atenção na feira

Por
Guilherme Testa

Poltrona gamer é um produto conceito produzido apenas por encomenda.

publicidade

Todo gamer sonha com o melhor line-up na sua casa. O melhor mouse, o melhor monitor, a melhor cadeira. A Acer decidiu oferecer tudo isso em uma só peça e trouxe até a BGS 2019 um setup avaliado em R$ 80 mil, que inclui mouse, teclado, três monitores, um pc gamer de última geração e uma poltrona que vibra conforme o jogo. 

A novidade se chama Thronos e pertence à linha Predator. “A Thronos é como uma cadeira de massagem, dessas de aeroporto e shoppings, mas nós a programamos para responder conforme o jogo que o gamer está se divertindo”, explicou André Teixeira, gerente de produtos da Acer.

 

 

A poltrona não está à venda no Brasil. E o preço de importação pode chegar até R$ 40 mil. “Essa é uma peça que a Acer trabalha apenas por encomenda. Tu não vai encontrá-la no site, ou em lojas, por exemplo”, afirmou Teixeira.

Novos produtos 

A Acer também levou para a BGS uma gama de novos produtos para apresentar aos gamers da feira. Entre eles, está o Triton 900, um notebook de alto desempenho com GPU GeForce RTX 2080, CPU Intel Core i9 de 9ª geração, design slim e tela de 17 polegadas com 4K conversível, possibilitando a utilização dele como tablet. 

Outro destaque é o Triton 500 que tem apenas 17,9 mm de espessura e pesa 1,9 kg. O equipamento conta ainda com tela FHD 144Hz, além de uma placa de vídeo NVIDIA GeForce RTX 2080.

Também foram expostos a nova linha de computadores eConcept, para criadores de conteúdo. Teixeira afirma que esse era um mercado que estava necessitando de atenção: “A gente viu que o público que queria um notebook potente para edição e criação de conteúdo, acabava comprando um notebook gamer, devido as configurações. Mas nem todos eles queriam abrir ele no escritório e ter um teclado luminoso, por exemplo”, explicou. “A Acer busca se desenvolver em cima de três pilares: desempenho, processamento e resfriamento. Não adianta termos uma super máquina e ela superaquecer e começar a travar”, destaca Teixeira.