UE quer impor carregador universal para smartphones

UE quer impor carregador universal para smartphones

Projeto desperta a oposição da gigante americana Apple

AFP

Gastos na compra de carregadores chega 2,4 bilhões de euros por ano, diz UE

publicidade

Será o fim dos carregadores incompatíveis lotando gavetas? A Comissão Europeia quer impor um carregador universal para smartphones e outros dispositivos eletrônicos, em nome dos direitos do consumidor e do meio ambiente, um projeto que desperta a oposição da gigante americana Apple.

O regulamento proposto nesta quinta-feira pelo Executivo europeu, que terá de ser aprovado pelos eurodeputados e Estados-membros, visa harmonizar as portas de carregamento para smartphones, tablets, câmeras, fones de ouvido, alto-falantes e consoles de jogos portáteis, e pode ameaçar os cabos de conexão dos iPhones do grupo californiano.

Este projeto foi apresentado em 2009 pela Comissão e foi objeto de uma resolução do Parlamento Europeu em janeiro de 2020, mas até agora encontrou forte relutância por parte da indústria, embora o número de tipos de carregadores existentes tenha reduzido ao longo dos anos.

Veja Também

De cerca de 30 em 2009 caíram para três: o conector Micro USB que há muito equipa a maioria dos telefones, USB-C, uma conexão mais recente, e o Lightning usado pela Apple.

A UE agora quer impor a porta USB-C a todos os dispositivos eletrônicos, o que permitiria o uso de qualquer carregador, enquanto a harmonização das tecnologias de carregamento rápido garantirá a mesma velocidade de carregamento – evitando que se quebre quando usado com um dispositivo de uma marca diferente.

Logicamente, Bruxelas pretende dissociar a venda de dispositivos eletrônicos e carregadores: "Uma vitória para os consumidores e para o meio ambiente (...) Os europeus estão fartos de carregadores incompatíveis que se amontoam nas gavetas", declarou a comissária responsável pela Concorrência Europeia, Margrethe Vestager, citada em um comunicado à imprensa.

"Demos ao setor muito tempo para encontrar soluções. Agora, chegou a hora de legislar", insistiu.

A Apple, que afirma que sua tecnologia Lightning equipa mais de um bilhão de dispositivos em todo o mundo, imediatamente reiterou sua oposição. "Este regulamento sufocaria em vez de encorajar a inovação e prejudicaria os consumidores na Europa e em todo o mundo", disse o grupo.

A empresa, que afirmou no ano passado que tal legislação geraria "um volume sem precedentes de lixo eletrônico" ao tornar obsoletos alguns dos carregadores em circulação, está alarmada com a transição de 24 meses proposta por Bruxelas, considerada precipitada.

A Comissão retruca que os consumidores europeus, que gastam cerca de 2,4 bilhões de euros por ano apenas na compra de carregadores, poderiam economizar pelo menos 250 milhões de euros anuais, e que o desperdício de carregadores não utilizados, estimado em 11.000 toneladas por ano, poderia ser reduzido em quase 1 mil toneladas.

Bruxelas garante que a capacidade de inovação das empresas será preservada - em particular nas técnicas de carregamento sem fio, que estão excluídas do projeto porque ainda estão em fase de desenvolvimento num mercado que atualmente "não está muito fragmentado".

A associação ANEC, que defende os direitos dos consumidores, acolheu favoravelmente o projeto, embora lamentando que os sistemas sem fio não estejam inclusos.

"É fundamental evitar a fragmentação nesse nicho! Como a legislação vai demorar para ser discutida e adotada, também deve abranger o carregamento sem fio" que se tornará prevalente em alguns anos, argumenta a ANEC.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895