capa

Acusação usa áudios e depoimentos para pedir condenação dos réus

Conteúdos foram apresentados durante quase duas horas na manhã desta sexta-feira

Por
Henrique Massaro

Quinto dia do julgamento de caso Bernardo

publicidade

Por quase duas horas, na manhã desta sexta-feira, quinto e possível último dia de julgamento do Caso Bernardo, a acusação, durante o período de tréplica, apostou na transmissão de áudios e depoimentos. Os elementos foram usados por promotores para reforçar o pedido de condenação dos quatro réus. São acusados pela morte de Bernardo Boldrini, de 11 anos, o pai do menino, Leandro Boldrini, a madrasta, Graciele Ugulini, a sua amiga, Edelvânia, e o irmão dela, Evandro.

O promotor Ederson Vieira, que ocupou a maior parte do tempo, utilizou os áudios para mostrar o envolvimento de Evandro no caso. A irmã dele havia negado a participação dele durante depoimento na quinta-feira. Outros áudios traziam conversas entre Graciele e Edelvânia após a morte do menino, como se elas não tivessem envolvimento como caso. Outra conversa transmitida pelo promotor é entre o Leandro Boldrini e o padrinho de Bernardo, em que eles discutem sobre o desaparecimento do menino.

O promotor também criticou, em vários momentos, o fato de Leandro Boldrini usar uma camiseta com uma mensagem da filha e a imagem dos pés de criança. "Psicopata vem com a camiseta do filho (sic) que ele abandonou". No segundo momento da fala, ele leu trechos de depoimentos dos mais variados, desde amigos e parentes, mostrando que o menino sofria negligência da família.