Após aumento de casos de Covid-19, Canoas fecha praças e volta a restringir comércio
capa

Após aumento de casos de Covid-19, Canoas fecha praças e volta a restringir comércio

Cidade teve crescimento de 174% de infectados em 21 dias de reabertura

Por
Eric Raupp

Canoas registrou aumento de casos de Covid-19


publicidade

Após a confirmação do centésimo caso de Covid-19 em Canoas, a administração municipal recuou nas medidas de relaxamento de reabertura do comérico e anunciou na noite desta quinta-feira novas medidas de restrições na cidade. De acordo com o prefeito Luiz Carlos Busatto, o número representa um gatilho que faz a cidade repensar a estratégia. Um novo decreto assinado pelo gestor determina o fechamento completo de todas as praças – a Guarda Municipal fará a fiscalização – e que estabelecimentos não-essenciais não devem abrir aos domingos e feriados. Nesses dias, até mesmo supermercados devem operar até as 13h.

"Funciona param que as pessaos possam se abastacer no final de semana. Mas lancherias, restaurantes, comércio varejista, fecha tudo. Os dois shoppings serão fechados no domingo. São medidades infelizmente um pouco restritivas, mas esse não é o momento para sair. É momento de salvar vidas", disse o prefeito. "A população se tranquilizou e relaxou de uma maneira que nos preocupa, o quem tem acontecido, principalmente no final de semana", lamentou, apresentando imagens de câmeras de vigilância instaladas em praças que mostram os locais cheios. 

O comércio reabriu em 2 de maio, depois de flexibilização do governo estadual. "Era uma necessidade naquele momento, 45 dias fechados começa a ter outros reflexos que também começam a ter um impacto bastante importante para todos. Avaliamos todo o cenário", argumentou. Mas a cidade viu o índice de infectados pelo novo coronavírus crescer.

Em 21 dias, de 6 a 27 de maio, houve um aumento de 174% nos casos detectáveis, enquanto os óbitos passaram de dois para seis, um salto de 200%. Para o combate da crise sanitária, foram instalados quatro hospitais de campanha, totalizando 932 leitos, dos quais 50 são de Unidade de Tratamento Intensivo para Covid-19. Até hoje, 30 estavam em operação e 28 ocupados. 


Por conta desse cenário, Busatto explicou que mais dez unidades começaram a funcionar. "Não disponibilizamos antes porque tem custo de médicos, uma equipe toda. É um aumento significativo dos nossos. E não havia necessidade desses leitos", comentou. Atualmente, Canoas está em bandeira laranja (risco médio) no sistema de Distanciamento Controlado estabelecido pelo Palácio Piratini. "Ainda estamos numa situação confortável, mas a curva está crescendo", alertou chefe do Executivo.