Começa regulação médica do Samu realizada por Santa Maria
capa

Começa regulação médica do Samu realizada por Santa Maria

Sete médicos reguladores foram contratados

Por
Renato Oliveira

O serviço médico, regulado por Santa Maria, será realizado diariamente, das 7h às 19h

publicidade

A regulação médica do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que passará a ser feita de Santa Maria, e não mais de Porto Alegre, começou nesta segunda. O termo de adesão à Regulação Compartilhada, por meio de Centrais Acessórias de Regulação Remota do Samu, foi assinado em setembro. Desde 2011, quando o município passou a contar com o serviço, a regulação médica por Santa Maria tem sido uma reivindicação constante.

“A central telefônica do Samu, regulada em Santa Maria, é uma necessidade pois garante atendimentos mais ágeis e qualificados”, destacou o prefeito Jorge Pozzobom. A coordenação médica do Samu no Rio Grande do Sul esteve em Santa Maria para acompanhar o início dos trabalhos.

O serviço médico, regulado por Santa Maria, será realizado diariamente, das 7h às 19h. Nos demais horários, a regulação se dará por Porto Alegre. “Quando uma pessoa aciona o 192, a central telefônica da Capital questiona nome, idade, endereço e o motivo da ligação. Esses dados preliminares são encaminhados para os médicos reguladores que estão na Central de Santa Maria. Por isso, a regulação é compartilhada”, explica o secretário adjunto de Saúde, Guilherme Ribas. A consequência direta deste trabalho é a diminuição do tempo de resposta para o atendimento do paciente desde a saída da ambulância até a entrega do paciente à instituição de referência.

A Central de Regulação Compartilhada do Samu, em Santa Maria, está com sala e móveis prontos. Ao todo, sete médicos reguladores foram contratados, sendo dois turnos de seis horas para cada um. Os profissionais passaram por treinamento de 36 a 48 horas presenciais, na Central do Samu em Porto Alegre. Eles se somarão aos outros oito médicos emergencistas que já atuam no serviço. O investimento por parte do Município é de R$ 52.793 mensais, recursos que servirão para realizar uma média de 750 atendimentos por mês, com mais agilidade.