Comerciantes protestam pela abertura de lojas em Farroupilha

Comerciantes protestam pela abertura de lojas em Farroupilha

Manifestação ocorre devido a vigência da bandeira preta em todo o Rio Grande do Sul

Celso Sgorla

Uma carreata foi realizada em protesto pelo fechamento do comércio

publicidade

Entidades do comércio do município de Farroupilha realizaram na tarde desta sexta-feira uma carreata pelas ruas centrais da cidade. Cerca de 500 veículos, segundo o Sindilojas, participaram da manifestação.

O objetivo do protesto foi de chamar a atenção das autoridades, de que o comércio não é o principal culpado pelo colapso na rede hospitalar e que o setor precisa voltar a operar dentro do modelo de cogestão, com as restrições e cuidados necessários para garantir a prevenção ao coronavírus e ao mesmo tempo manter a sobrevivência econômica dos estabelecimentos.

A Câmara de Indústria, Comércio e Serviços e Agronegócios (CICS) de Farroupilha, através do presidente José Carlos Trujillo, divulgou uma carta aberta defendendo a importância de manter as atividades econômicas durante a pandemia. No documento, a instituição aponta que o setor tem seguido todos os protocolos de segurança e afirma que as empresas são locais muito seguros.

Terceira semana em bandeira preta no RS

Com piora em todos os índices, o governo do Rio Grande do Sul manteve nesta sexta-feira todas as regiões gaúchas em bandeira preta na 45ª rodada do Distanciamento Controlado e com o sistema de cogestão suspenso até 21 de março, como já havia antecipado na semana passada. É a terceira semana seguida nesta situação.

Todos os 11 indicadores que monitoram a velocidade de propagação do coronavírus e a capacidade de atendimento hospitalar tiveram piora no Estado nesta semana, mesmo calculados em cima de números recordes da semana anterior. O RS chegou a contabilizar 1.343 mortes em apenas sete dias – aumento de 54% ante a semana anterior. Na quinta-feira, houve recorde no registro diário: foram 276 mortes confirmadas em apenas 24 horas.

Veja Também


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895