Consórcio Pró-Sinos estuda criação de Usina Regional de Lixo Orgânico
capa

Consórcio Pró-Sinos estuda criação de Usina Regional de Lixo Orgânico

Estrutura contribuiria para a redução de resíduos orgânicos na Bacia do Rio dos Sinos

Por
Stephany Sander

Um benefícios seria a redução de resíduos orgânicos na Bacia do Rio dos Sinos

publicidade

O Consórcio Pró-Sinos reuniu nessa quinta-feira, em São Leopoldo, os municípios que integram o grupo para propor um estudo de viabilidade técnica para criação de uma Usina Regional de Lixo Orgânico. Segundo o diretor de Regulação do Pró-Sinos, Tiago Gomes, os municípios precisam manifestar interesse até o dia 30 de outubro. “Essa usina teria capacidade de reciclar até 300 tolenadas/dia de lixo, o que contribuiria decisivamente para diminuição de resíduos orgânicos na Bacia do Rio dos Sinos.” O estudo inicial aponta custo estimado em R$ 150 mil, que será dividido entre as prefeituras interessadas.

Uma empresa já mostrou interesse na implantação da usina no formato regional. A planta de biodigestão anaeróbia, apresentada por uma empresa alemã, visa produzir biogás. Já os resíduos sólidos remanescentes da digestão podem ser encaminhados para uma compostagem que constituiria, após a estabilização da matéria orgânica, um condicionador de solo. O modelo de negócio prevê que a economia com os custos de transporte até o aterro sanitário e sua destinação final, adicionado a comercialização do biogás gerado e dos subprodutos transformados e comercializados, sejam revertidos para a sustentabilidade das unidades de triagem e biodigestão, com previsão da redução dos custos atuais.

De acordo com o presidente do órgão e prefeito de Esteio, Leonardo Pascoal, a iniciativa é ambientalmente válida. “O aterro sanitário tem prazo de validade e é de conhecimento de todos o passivo ambiental que essa solução para o lixo orgânico representa para as cidades.” Ele enfatiza que o Pró-Sinos tem interesse em estudar este eixo do saneamento para melhoria da qualidade ambiental na Bacia do Sinos.