Defesa Civil notifica edificações próximas ao rio das Antas por risco de inundação

Defesa Civil notifica edificações próximas ao rio das Antas por risco de inundação

Os moradores serão removidos para hotéis ou outras casas na região

Celso Sgorla

A previsão inicial da empresa Energética é de que os reparos levem cerca de 20 dias

publicidade

Equipes das Defesas Civis estadual e municipal, do Corpo de Bombeiros, da Brigada Militar e da empresa Energética Campos de Cima da Serra Ltda estão notificando, durante esta quinta-feira, os proprietários de 20 edificações ao longo do rio das Antas, sobre o risco potencial de inundação em função da fissura detectada na estrutura da barragem Passo do Meio, em São Francisco de Paula.

As equipes vão adotar as medidas de evacuação emergencial de duas edificações que têm moradores ao longo do rio das Antas. Esses moradores serão removidos para hotéis ou outras casas na região. Os proprietários de outras 18 edificações serão notificados sobre a situação, sendo contraindicada a ocupação, visitação ou permanência nos imóveis situados na zona de impacto direto durante os próximos 20 dias. Essas edificações, que podem ser casas, galpões ou prédios, ficam nos municípios de Caxias do Sul, Flores da Cunha, Antônio Prado, São Marcos e Campestre da Serra.

Segundo o subchefe da Defesa Civil do RS, coronel Rodrigo Dutra, “há três barragens em sequência e a percolação está localizada na barragem mais acima, sendo que, em caso de ruptura total daquele barramento, há mais duas barragens para conter a onda de cheia o que, conforme atesta o empreendedor, traz segurança à operação de evacuação de emergência”. A percolação pode ser definida como a passagem de água pelo barramento em razão da abertura de fissuras na barragem.

Não há risco iminente de ruptura, porém, em caráter preventivo, a Defesa Civil Estadual, em conjunto com o empreendedor e com a participação das agências de fiscalização e de controle de emergência, entendeu por acionar o Plano de Ação de Emergência da barragem.

A Defesa Civil realizou ao longo da semana duas reuniões técnicas com os órgãos de fiscalização e com as Defesas Civis locais, Brigada Militar e Corpo de Bombeiros Militar. A empresa já está adotando as medidas de mitigação de risco, com o rebaixamento do nível de água na barragem que apresenta percolação e com a abertura de um canal de desvio do rio das Antas no ponto crítico, de forma a permitir o reparo na barragem. A previsão inicial da empresa é de que os reparos levem cerca de 20 dias.

“Estamos monitorando o nível do rio das Antas nos pontos à montante e à jusante da barragem em conjunto com a Sala de Situação da SEMA, de forma permanente, não havendo qualquer anomalia, até o momento, que indique risco adicional”, explicou o coronel Rodrigo Dutra.

A Coordenadoria Regional de Defesa Civil na Serra instalou nesta quarta-feira um Sistema de Comando de Incidentes para gerenciar as ações das cinco equipes responsáveis por realizar as notificações e a remoção das famílias no curso do rio.

"A Energética Campos de Cima da Serra, em conjunto com as autoridades locais, iniciou nesta quinta-feira, ação preventiva relativamente aos imóveis situados no entorno da PCH Passo do Meio, para a segurança dos moradores durante as manobras e ações corretivas que serão iniciadas na barragem da usina nos próximas dias. Todos os imóveis serão lacrados e os proprietários alertados que não é recomendada visitação ou permanência no local. A devida assistência será prestada a todos os proprietários. A medida possui caráter preventivo e temporário, e foi tomada de maneira conservadora pela companhia para a segurança dos moradores," posiciona-se a empresa.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895