Escola de Canela recebe projeto de inclusão digital
capa

Escola de Canela recebe projeto de inclusão digital

Cem estudantes de educandário de turno integral participam de curso até junho

Por
Halder Ramos

Projeto de inclusão digital será realizado em escola de Canela, na Serra


publicidade

O cotidiano das aulas de Pesquisa e Produção Textual ganhou ares mais tecnológicos para 100 estudantes do ensino médio da Escola Estadual Neura Mari Pacheco, de Canela. O educandário de turno integral do bairro Canelinha foi contemplado com projeto de inclusão digital do Movimento Recode. O projeto é patrocinado pelo Facebook e beneficiará dez escolas brasileiras. Canela foi a única com escola selecionada na região Sul nesta primeira etapa da iniciativa. 

“O projeto foi apresentado pela coordenação da escola e comecei a estudar. Recode é uma ONG criada em 1995. Nasceu no Morro Dona Marta, no Rio de Janeiro. Atualmente, atua em diversos países e possui mais de 60 prêmios nacionais e internacionais”, conta a professora Daniela Gonzalez, que desenvolve o projeto com os alunos do 2º e 3º ano do Ensino Médio. O que motivou a professora a participar foi a possibilidade de impacto social na vida dos alunos. Com 80 horas de duração, o curso começou a ser desenvolvido na semana passada no laboratório de informática da escola. São quatro turmas de 25 alunos com duas horas-aula diárias. O curso será concluído em junho. Depois, equipe da Recode irá para Canela para entregar os certificados. “Serão mais quatro horas de aula bônus. Os estudantes irão compartilhar suas experiências sobre o curso.” Haverá sorteio de um notebook.


De acordo com a professora, o foco do curso é transformar os jovens em agentes de mudança. Daniela destaca que o treinamento desperta a capacidade de liderança, senso empreendedor, interdisciplinaridade, habilidade digital, criatividade, senso crítico, consciência global e cívica. O diretor da instituição, Márcio Boelter, comemora a ação, mas frisa que a escola não recebe recursos por participar da iniciativa. “Nós buscamos fazer melhorias na rede de Internet para facilitar o acesso dos estudantes e buscar adequação ao projeto.”