Escola indígena de Viamão recebe livros
capa

Escola indígena de Viamão recebe livros

Coleção composta por 200 títulos foi entregue pelo BRDE, por meio do projeto Pró-biblioteca

Por
Christian Bueller

Ação beneficia a escola Nhamandu Nhemopu'ã, no Parque Estadual de Itapuã.

publicidade

Pés descalços, olhos levemente puxados, cabelos lisos. Quinze crianças indígenas cantaram para receber uma visita que não costuma aparecer. O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul entregou, ontem, uma coleção composta por 200 títulos de referências infantojuvenis e de literatura em geral, nacional e estrangeira, para a Escola Estadual Indígena de Ensino Fundamental Nhamandu Nhemopu'ã, no Parque Estadual de Itapuã, em Viamão. São 60 alunos beneficiados com a iniciativa promovida pelo BRDE por meio do projeto Pró-biblioteca, da Editora L&PM, que é chancelado pela Lei Rouanet de incentivo à cultura, para equipar e atualizar as bibliotecas de instituições de ensino públicas com a finalidade de colaboração na formação dos jovens brasileiros.

A biblioteca da escola indígena, cujo nome significa sol nascente em português, é a primeira de oito a receber exemplares com incentivo fiscal do BRDE. “Integra uma das áreas de responsabilidade socioambiental do banco. É nessa hora que tudo vale a pena”, afirma o vice-presidente e diretor Financeiro e de Planejamento, Luiz Corrêa Noronha. Pelo projeto somente neste ano, foram 68 bibliotecas contempladas e outras 230 receberão. A ação tem também como missão incentivar a literatura entre a população que utiliza os acervos das bibliotecas comunitárias no país. “O que mais me encanta é a possibilidade de plantar sementes para novos conhecimentos”, revela Adriane Laste, responsável pelo projeto. Entre os exemplares, clássicos de Julio Verne, William Shakespeare, Antoine de Saint-Exupéry, Erico Verissimo e José de Alencar.

Inaugurada em 2013 e situada na comunidade Mbya da aldeia Pindô Mirim, a Nhamandu Nhemopu'ã tem aulas em tupi-guarani e Português, com os costumes indígenas respeitados. “A escola se propõe a fazer a mediação entre esses dois mundos, sem sobreposições. O povo quer conhecer a sociedade e os conteúdos da escola formal, e os livros são grandes aliados nesse processo”, destaca a diretora Alessandra Santos. O cacique Arnindo Verá agradeceu pela doação e contou que a música apresentada pelos índios é um conselho para as próximas gerações: “Para falar baixo, com calma, não buscar conflitos, pelo contrário, procurar sempre o respeito e o bem-estar”. A entrega contou ainda com a presença do secretário de Educação, Faisal Karam, que prometeu falar com os representantes da escola sobre melhorias, e da coordenadora do Sistema Estadual de Bibliotecas Escolares, Maria do Carmo Mizetti.