Famílias registram furtos em túmulos do Cemitério Ecumênico em Santa Maria

Famílias registram furtos em túmulos do Cemitério Ecumênico em Santa Maria

Local, que estava fechado por conta da pandemia, foi reaberto à comunidade no sábado em razão do Dia de Finados

Renato Oliveira

Jazida do menino Bernardo Boldroni é o local mais visitado do Cemitério

publicidade

Depois de 7 meses fechado – sendo reaberto no sábado –  alguns familiares que foram visitar seus entes queridos no Cemitério Ecumênico em Santa Maria, o maior da região Centro do Estado, constataram furtos nos túmulos. Neiva Krammer, ao chegar ao jazigo da familia, constatou que desapareceram a argola, a moldura e os letreiros de bronze.

"A gente tem que lamentar, mas o cemitério tem uma área muito grande e os vândalos se aproveitam e não respeitam um local sagrado", comentou. O guarda municipal Santo Cordeiro informou que existe um monitoramento da Guarda no local, tanto de dia como na parte da noite e madrugada, mas a extensão do local (7 hectares) facilita a ação de criminosos. 

Ele destacou que foram presos dois suspeitos com sacolas e objetos furtados que foram levados para o Centro Integrado de Segurança mas liberados em decorrência de que ninguém apareceu para registrar a queixa. "Lamentamos também a figura do receptador", comentou o guarda. 

Os seis cemitérios de Santa Maria foram abertos para visitação pública no sábado e os portões ficarão abertos durante o Dia de Finados até ás 18h. Na terça-feira, dia 03, retoma o decreto da Prefeitura que não permite a abertura dos Cemitérios em decorrência da pandemia do coronavirus.

No Cemitério Ecumênico, o túmulo mais visitado desde sábado é o do menino Bernardo Boldroni, assassinado com 11 anos, em 4 de abril de 2014, por uma superdosagem do medicamento Midazolan. Na época, o corpo foi encontrado em uma cova no interior de Frederico Westphalen. Foram acusados pelo crime o pai Leandro Boldrini, a madrasta, a amiga dela, e o irmão da amiga. O túmulo é da familia Uglione e no local também estão sepultadas a mãe e a avó do menino.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895