Governo do RS emite novo Aviso para a região de Capão da Canoa

Governo do RS emite novo Aviso para a região de Capão da Canoa

De acordo com Gabinete de Crise, região apresentou piora em indicadores de casos confirmados e óbitos

Correio do Povo

Região apresentou piora em indicadores como casos confirmados e óbitos

publicidade

Em reunião do Gabinete de Crise desta quarta-feira, o Grupo de Trabalho de Saúde (GT Saúde) divulgou a emissão de um Aviso para a região Covid de Capão da Canoa, que já havia recebido um na semana passada e foi novamente advertida, devido à piora em indicadores da pandemia.

O Aviso é o primeiro passo do Sistema 3As de Monitoramento, com o qual o governo do Estado gerencia a pandemia no Rio Grande do Sul. Segundo os técnicos do GT Saúde, as regiões de Novo Hamburgo e Passo Fundo, que receberam Aviso na semana passada, registraram estabilização dos dados, e as demais 18 regiões Covid também estão em situação estável, sem necessidade de advertência.

Veja Também

De acordo com análise da equipe técnica, Capão da Canoa apresentou piora em indicadores como casos confirmados e óbitos. A situação é ainda mais delicada, segundo o Gabinete, por se tratar de uma região em que o fluxo de pessoas deve aumentar com a proximidade do verão e do fim do ano.

A região de Capão da Canoa teve na última semana uma incidência de 239,5 casos confirmados por 100 mil habitantes, representando um aumento de 44,1% frente à semana anterior. Isso levou Capão da Canoa a alcançar o pior índice entre as 21 regiões Covid, com taxa 157,8% superior à média estadual. Nos sete dias anteriores a 14 de setembro, foram registrados 367 casos confirmados. Nos últimos sete dias, até 4 de outubro, foram 951 casos.

Em relação a óbitos, a região de Capão da Canoa apresentou taxa de mortalidade acumulada na semana de 3,02 óbitos por 100 mil habitantes, representando um aumento de 9,1% frente à semana anterior. A taxa também é a pior do Rio Grande do Sul, sendo 101,1% superior à média estadual.

Ao longo da última semana, Capão da Canoa também teve um aumento de 125% de internações em leitos clínicos, entre suspeitos e confirmados.Entre 20 de setembro e 4 de outubro, o número de internados passou de 7 para 27.

Segundo os técnicos do GT Saúde, não houve, ainda, sugestão para o Gabinete de Crise emitir Alerta para Capão da Canoa. Os indicadores seguirão sendo monitorados e, caso os números sigam aumentando, o Sistema 3As poderá exigir novas medidas.

“A vacinação vai ser fundamental para reverter a situação da região. Até porque, ao analisarmos os dados mais de perto, podemos observar que 45,5% das pessoas hospitalizadas por Covid-19 no último mês e residentes na região de Capão da Canoa estavam com o esquema vacinal incompleto e 83% dos casos na faixa etária acima de 60 anos eram não vacinados ou que não haviam recebido a segunda dose necessária para proteção”, afirmou a chefe da Vigilância Epidemiológica do Centro de Vigilância em Saúde (CEVS), Tani Ranieri.

Tani destacou a importância de as pessoas com 60 anos ou mais tomarem a dose de reforço da vacina contra Covid, pois estudos mostram que, após seis meses da administração do esquema primário de imunização, há uma queda dos anticorpos, evidenciando a necessidade de revacinação.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895