Homem é autuado por construção de represa irregular no Rio Uruguai
capa

Homem é autuado por construção de represa irregular no Rio Uruguai

Patram flagrou a colocação de pedras em localidade de Pinheirinho do Vale

Por
Agostinho Piovesan

Dezenas de pedras foram utilizadas na construção da estrutura


publicidade

Uma ação do Comando Ambiental da Brigada Militar em Frederico Westphalen, na Zona da Produção, interrompeu nessa quinta-feira a construção de uma represa irregular no rio Uruguai, na localidade de Linha Capivara, em Pinheirinho do Vale. Dezenas de pedras grandes foram colocadas no local a partir da margem em direção ao centro do rio, que faz a divisa do Rio Grande do Sul com Santa Catarina. Segundo a comandante do grupo ambiental, Juliana Celita Lahr, o homem responsável pela intervenção responderá por crime ambiental. “O morador responsável por construir a taipa disse que a estrutura serviria para garantir segurança às pessoas que se banham no local”. Ele foi autuado por infração ambiental.

A comandante informou que o caso vai ser investigado, inclusive quanto à possibilidade da iniciativa estar relacionada à pesca ilegal naquele trecho do rio. O caso partiu de uma denúncia anônima. De acordo com o Comando Ambiental, a ocorrência será encaminhada ao Ministério Público Federal (MPF). 

Realizar intervenções em cursos hídricos e em áreas de preservação é crime. A policial informa que qualquer denúncia contra o meio ambiente poderá ser feita pelo telefone (55) 3744 6919.


Piracema

A Patrulha Ambiental de Frederico Westphalen informou que está intensificando a fiscalização de combate à pesca predatória nos rios Uruguai e Várzea. Juliana Lahr disse que uma das principais preocupações, atualmente, é o combate à pesca ilegal, especialmente no rio Uruguai. Ela lembra que o período da Piracema na Bacia do Uruguai iniciou no dia 1º de outubro e encerra no dia 31 deste mês. “Lembramos que este é um período reprodutivo muito importante para diversas espécies de peixes, incluindo aquelas ameaçadas de extinção, como o Dourado e a Piracanjuva”, observa.