Mesmo com queda no volume de vendas, o Natal não foi decepcionante para os lojistas de Uruguaiana

Mesmo com queda no volume de vendas, o Natal não foi decepcionante para os lojistas de Uruguaiana

As vendas encolheram, em média, 15% em relação ao ano anterior

Fred Marcovici

As vendas em Uruguaiana encolheram, em média, 15% em relação ao ano anterior

publicidade

Em Uruguaiana os dias que antecederam ao Natal apresentaram movimentação intensa no principal eixo comercial da cidade. Mantendo o modo tradicional, a maior circulação de pessoas foi nos dois dias que antecederam a festa. 

De acordo com o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Uruguaiana (Sindilojas), Read Barakat, os comerciantes que se prepararam adequadamente para a data, apesar da pandemia, obtiveram resultados que podem ser considerados positivos levando-se em consideração o quadro político-econômico enfrentado por empresários e consumidores.

“Não há como compararmos com 2019. Mesmo com o aumento dos preços dos produtos as vendas encolheram – em média – 15% em relação ao ano anterior. Porém, manter as portas abertas, os salários em dia e assegurar a todos os protocolos sanitários vigentes, foi uma grande conquista do segmento”, avalia.

"As pessoas buscaram até o último momento manter a relação custo e benefício na hora da compra sem excederem a capacidade de endividamento. O momento é de dúvidas e incertezas. Preservar a autoestima fazendo trocas no guarda-roupa, utensílios domésticos, bazar, calçados, confecções ou perfumaria foi pensada e repensada neste ano", acrescenta.

O dirigente destacou a parceria entre as classes patronal e funcional que unidas entenderam as circunstâncias e o novo normal a ser enfrentado. As categorias sabem que devem conciliar a economia à saúde. 

"Torcemos para que as pessoas tenham consciência e comemorem as festas de final de ano junto à família, com todos cuidados, com pouca gente, porque precisamos cuidar do distanciamento e fazer a nossa parte. O comércio está fazendo a parte dele, seguindo todos os meios de proteção, com uso de máscara facial, álcool em gel, uso do tapete (sanitizante)", diz.

Para 2021 as duas expectativas do empresariado local giram no aumento dos aluguéis e na chegada da tão aguardada vacina, conclui.  Mesmo com a Bandeira Vermelha, o comércio está autorizado a funcionar das 7h às 20h.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895