ONG de Barra do Quaraí realiza o projeto “Desenhando e Pintando a Fronteira”
capa

ONG de Barra do Quaraí realiza o projeto “Desenhando e Pintando a Fronteira”

O objetivo é fazer alunos recriarem artisticamente a história da comunidade fronteiriça

Por
Fred Marcovici

O grupo localizou trincheiras que foram ocupadas pelo exército imperial sob o comando do General Manuel Luís Osório

publicidade

A cidade de Barra do Quaraí, a mais distante de Porto Alegre, inserida na Tríplice Fronteira mais ao Sul do mundo, integrando Brasil, Uruguai e Argentina, conta com a ONG Atelier Saladero. A organização idealizou o projeto “Desenhando e Pintando a Fronteira”, classificado pela Secretaria de Cultura do Rio Grande do Sul entre os sete melhores do Estado.

A organização não-governamental, iniciou o ano de 2020 com atividades de seu plano de trabalho, reunindo duas vezes por semana 15 alunos selecionados para as aulas de desenho e pintura. Segundo Argemiro Rocha, presidente da ONG, o município conta com uma expressiva história que poucos conhecem.  Com isso, por meio do desenho e da pintura, a proposta pretende expressar a identidade do entorno que passa por índios Charruas, caudilhos farroupilhas, soldados do império, escravos, estancieiros e saladeros, em uma área em que brasileiros, uruguaios e argentinos, por vezes irmanados outras não, conviviam na divisa.

O objetivo é fazer alunos, com talento para o desenho, recriarem artisticamente a história da comunidade fronteiriça. No domingo, na localidade de Pai Passo, o grupo localizou trincheiras que foram ocupadas pelo exército imperial sob o comando do General Manuel Luís Osório, à época ainda tenente. “Queremos desenhar esse passado para contar nossa história”, diz Rocha. Reconhecida como Ponto de Cultura pelo Ministério da Cultura, a ONG Atelier Saladero conta também com a parceria da Prefeitura Municipal.