ONG de catadores passa por dificuldade financeira em Uruguaiana
capa

ONG de catadores passa por dificuldade financeira em Uruguaiana

Segundo a dirigente da Associação, crise é causada por falta de repasse

Por
Fred Marcovici

Segundo o secretário da Fazenda, Valdir Venes da Rosa, o último repasse aconteceu em 19 de dezembro de 2019, referente ao mês de novembro

publicidade

A Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Uruguaiana (ACMRU), instalada na União das Vilas, antigo bairro DNER, segundo a dirigente Neiva Estigarribia, passa por significativa crise financeira causada pela falta de repasse da prefeitura que, desde novembro de 2019, não paga o convênio existente entre a entidade e a administração municipal. “Os R$ 21,3 mil são definitivos para as 20 famílias que atuam na ONG catando material reciclável em bairros como o Santo Inácio, São Miguel, Hípicas I e II, parte da Vila Júlia, entre outros”, explica.

Conforme Neiva, há catadores que cumprem a jornada de limpeza das áreas periféricas com dificuldades de manter a água e a luz em dia, além de alimentação aos filhos. Ainda de acordo com a catadora, o mês de janeiro de 2020 poderá condicionalmente ser pago no início de fevereiro e os períodos anteriores dependem da aprovação da Câmara. “A preocupação é grande com o bem-estar do grupo que depende e muito dos recursos governamentais. Falta comida às crianças. Nos resta aguardar como nos orientou a Secretaria de Infraestrutura Urbana e Rural”, desabafa ao concluir.

Segundo o secretário da Fazenda, Valdir Venes da Rosa, o último repasse aconteceu em 19 de dezembro de 2019, referente ao mês de novembro, e a prefeitura aguarda a liberação contábil para realizar novos repasses.