Pesquisa vai mensurar incidência de Covid-19 no Vale do Rio Pardo

Pesquisa vai mensurar incidência de Covid-19 no Vale do Rio Pardo

O levantamento ocorrerá nos 14 municípios da área de abrangência do Cisvale

Por
Otto Tesche

publicidade

A Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc) realizará uma pesquisa com a finalidade de mensurar o número de pessoas que têm positividade para anticorpos contra o vírus causador da Covid-19 (SARS-CoV-2) na região. O levantamento ocorrerá nos 14 municípios da área de abrangência do Consórcio Intermunicipal de Serviços do Vale do Rio Pardo (Cisvale): Boqueirão do Leão, Candelária, Gramado Xavier, Herveiras, Mato Leitão, Pantano Grande, Passo do Sobrado, Rio Pardo, Santa Cruz do Sul, Sinimbu, Vale do Sol, Vale Verde, Venâncio Aires e Vera Cruz. O ato de assinatura para o acordo de cooperação entre o Cisvale e a Associação Pró-Ensino em Santa Cruz do Sul (Apesc), mantenedora da Unisc, ocorreu na manhã desta quinta-feira.

O documento estabelece as diretrizes para a execução da pesquisa para mensurar a soroprevalência de SARS-CoV-2. O ato de assinatura do acordo ocorreu na sede do Cisvale, em Santa Cruz do Sul, e contou com gestores e secretários dos municípios consorciados, além de representantes da Philip Morris Brasil, Associação dos Municípios do Vale do Rio Pardo (Amvarp) e da 13ª Coordenadoria Regional de Saúde (13ª CRS), que são apoiadores da iniciativa.

A pesquisa encomendada pelo Cisvale terá início nos dias 18 e 19 de julho, de forma simultânea nos 14 municípios consorciados ao Cisvale. Ao todo, serão quatro etapas de realização de testes, uma a cada 14 dias, sempre aos finais de semana. Em cada fase, serão aplicados pouco mais de mil testes rápidos, coletados a partir de uma gota de sangue retirada da ponta do dedo da pessoa testada, para ser analisada por um aparelho, totalizando os cinco mil adquiridos pelo Cisvale. A divisão de exames para cada município será realizada a partir de um cálculo matemático, obedecendo a consideração populacional.

Os testes rápidos serão aplicados por servidores municipais de cada prefeitura, sendo supervisionados por professores locais. Todos serão treinados antes de irem a campo. O médico infectologista Marcelo Carneiro será o coordenador geral do estudo. “Vamos trabalhar para que tudo funcione e saia da melhor forma possível, diante deste desafio de realizar todos os exames ao mesmo tempo em várias cidades”, comentou Carneiro. Segundo ele, a forma de análise a ser realizada entrega um diagnóstico fiel ao que o campo de pesquisa apresenta.

“O que temos percebido desde abril é que o desempenho da doença respiratória é muito parecida, e uma análise dessa forma consegue dar o retrato de como está esse comportamento para, a partir daí, entender as condutas e medidas que estamos fazendo ou o quanto isso está impactando na disseminação da doença.” Serão divulgados relatórios parciais ao final de cada etapa e um relatório completo ao final do estudo. A previsão é de que a última etapa ocorra nos dias 29 e 30 de agosto.


O presidente do Cisvale e prefeito de Pantano Grande, Cassio Nunes Soares, disse que o objetivo é manter o trabalho de combate ao novo coronavírus, com dados que direcionem o caminho a ser seguido pelos gestores para diminuir os danos à população da região. “Desde o início dessa pandemia, tomamos atitudes em conjunto que fortaleceram os resultados. Precisamos de equilíbrio nesse momento de turbulência para que as ações sejam feitas de maneira adequada, justamente para termos os melhores resultados possíveis. Quem ganha com isso é a comunidade”, ressaltou o prefeito.