Pressão sobre hospitais faz com que RS tenha 7ª semana seguida em bandeira preta

Pressão sobre hospitais faz com que RS tenha 7ª semana seguida em bandeira preta

Por conta da cogestão, regionais poderão adotar protocolos mais flexíveis da bandeira vermelha

Correio do Povo

Por conta da cogestão, regionais poderão adotar protocolos mais flexíveis da bandeira vermelha

publicidade

Apesar do governo gaúcho ter ampliado as flexibilizações ao comércio, o Gabinete de Crise decidiu nesta sexta-feira, pela sétima semana consecutiva, a deixar todas as regiões do Rio Grande do Sul em bandeira preta no Distanciamento Controlado. O mapa divulgado hoje é definitivo, sem possibilidade de envio de pedidos de reconsideração. Contudo, as regiões poderão adotar as novas regras da bandeira vermelha por meio da cogestão.

A bandeira da 49ª rodada já havia sido antecipada pelo governador Eduardo Leite, durante o anúncio dos protocolos, que alertou que o Estado ainda deve ter mais "algumas semanas" em bandeira de altíssimo risco em decorrência da pressão da pandemia no sistema hospitalar. Nesta sexta-feira, o Estado contabiliza 21.779 mortes por Covid-19 – sendo 241 reportadas nas últimas 24 horas – e 886.149 casos confirmados de coronavírus.

Confira os novos protocolos para bandeira vermelha

A análise dos 11 indicadores do modelo de Distanciamento Controlado desta semana mostra que houve nova redução, de 19%, no número de confirmados com Covid-19 em leitos clínicos e de 6% de internações em leitos de UTIs. O índice referente a óbitos, que teve alta no mês de março, também mostrou queda de 31% nas últimas duas semanas. 

No entanto, a taxa de ocupação de leitos segue próxima a 100%, o que indica continuidade da pressão sobre o sistema hospitalar. Em algumas regiões, a operação segue acima da capacidade indicada. Ou seja, quem adoecer neste momento ainda encontrará os hospitais lotados.

Mesmo o cenário epidemiológico gaúcho apresentando tendência de melhora, a trava de segurança do modelo ainda é acionada pela baixa quantidade de leitos de UTI livres em comparação com leitos ocupados – o índice está em 0,06, e a salvaguarda é acionada quando baixa de 0,35.

Veja Também


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895