Projeto que extingue a função de cobrador de ônibus é aprovado em Pelotas

Projeto que extingue a função de cobrador de ônibus é aprovado em Pelotas

Extinção do cargo deve ocorrer até 1ª de janeiro de 2027

Angélica Silveira

publicidade

Foi aprovado na manhã desta quarta-feira, na Câmara de Vereadores de Pelotas, o projeto de lei da Prefeitura que extingue a função de cobrador de ônibus do transporte coletivo municipal. O documento foi para sanção da prefeita Paula Mascarenhas, para então virar lei. 

A votação foi considerada tranquila. Foram 11 votos favoráveis, quatro contrários, duas abstenções e três ausências. Pelo projeto, a extinção do cargo deve ocorrer até 1º de janeiro de 2027. O projeto objetiva instituir o Programa Municipal de Extinção Gradativa da Função de Cobrador do Transporte Coletivo por ônibus na cidade de Pelotas.

Na justificativa, a prefeitura argumenta que o transporte coletivo urbano vem diminuindo o número de usuários nos últimos dois anos, por isso é necessário buscar alternativas para manter o serviço economicamente viável a quem o utiliza. Também na composição da tarifa um dos componentes de maior impacto é o pagamento dos funcionários (52%) e de cada cinco passageiros, quatro utilizam a bilhetagem eletrônica para pagar a passagem.

Pelo projeto, a extinção será de forma gradativa e planejada. Até a data limite em 2027 será garantida a estabilidade para aqueles contratados até 28 de fevereiro de 2022, assim como a oferta de cursos gratuitos, mediante convênio firmado com o SEST/SENAT e outras instituições, com a finalidade de qualificação destes profissionais, de modo a facilitar sua inserção no mercado de trabalho, bem como possibilitar, o reaproveitamento destes nos quadros funcionais da empresa concessionária do serviço de transporte coletivo. Atualmente em Pelotas trabalham em torno de 230 cobradores.

O presidente do Sindicato dos Rodoviários, Claudiomiro Rosa do Amaral, conta que receberam o projeto do Executivo e conseguiram junto com a categoria melhorá-lo antes de ir para votação dos vereadores. "Colocamos um ano a mais que o previsto na estabilidade, ou seja agora  é cinco anos, regrar as demissões, logo a empresa só pode demitir nos casos de justa causa. Em casos de falecimento ou pedidos de demissão ou ainda acordo com o trabalhador  não é preciso a reposição e os aposentados que seguem trabalhando tem estabilidade  de um ano a partir de 28 de fevereiro, data da última assembleia da categoria", enumera.

Em torno de 45  aposentados seguem trabalhando como cobradores em Pelotas.

Veja Também


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895