Realização da Semana Farroupilha segue indefinida em Piratini
capa

Realização da Semana Farroupilha segue indefinida em Piratini

O evento, que é realizado em setembro, pode não ocorrer devido a pandemia e a situação econômica do município

Por
Angélica Silveira

O custo da Semana Farroupilha é de aproximadamente R$ 500 mil entre estrutura e pessoal contratado


publicidade

Uma das festas mais tradicionais do Estado, a Semana Farroupilha de Piratini está ameaçada de não acontecer em 2020. Uma das causas é a pandemia da Covid-19. Apesar de ter registrado somente dois casos da doença, a cidade foi afetada economicamente também pelas medidas de isolamento recomendadas por autoridades. Conforme o prefeito Vitor Ivan Rodrigues, a decisão final dos organizadores precisa levar em conta questões de saúde e também de economia.

“Não sabemos ainda como estará a questão do vírus em setembro. A festa sempre causa aglomerações. Não sabemos como será o comportamento das pessoas. O evento, que é o principal da cidade, precisa fazer a economia girar então ainda não sabemos se irá ocorrer”, pondera. Ele garantiu que a decisão final dos organizadores deverá ocorrer até o final deste mês.

Para o prefeito, a Semana Farroupilha é uma oportunidade da chegada de recursos para a cidade. “É uma festa que é patrimônio histórico do Rio Grande do Sul e envolve gente da região e do Estado que vem para Piratini”, destaca. Ele conta que o trabalho que culmina em setembro havia começado no mês de fevereiro. “Já temos inclusive shows agendados, mas não assinados, pois não temos como fechar contrato com o risco de ter que rescindir depois”, destaca.

O custo da Semana Farroupilha é de aproximadamente R$ 500 mil entre estrutura e pessoal contratado. “Vamos ver se é seguro em relação a pandemia, pois a saúde tem que ser priorizada, mas pela questão econômica, que todas as cidades estão sofrendo, não temos recursos públicos para financiar a festa”, disse.


Uma das opções é a realização de pregão eletrônico com empresas privadas como foi há dois anos. “Em 2019 tínhamos retomado a organização da festa que é do município, mas o impacto da pandemia na economia foi muito grande e precisamos de garantia de público, então, temos que ter responsabilidade ao pensar o evento”, concluiu.