Reforma do calçadão de Santa Maria pode ocorrer somente em 2020
capa

Reforma do calçadão de Santa Maria pode ocorrer somente em 2020

O valor estimado da obra passou de R$ 700 mil para R$ 1,7 milhão

Por
Renato Oliveira

Data de início das obras ainda é uma incógnita

publicidade

Com uma parceria público-privada (PPP), Santa Maria terá um novo calçadão. O projeto foi apresentado pelo prefeito Jorge Pozzobom para as direções da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Sindilojas e empresários. “Na verdade, a obra será realizado onde já existe o atual calçadão”, lembra o presidente do Sindilojas, Ademir da Costa.

"A obra, que inicialmente tinha contornos de revitalização arquitetônica, deverá consistir em um calçadão novo”, destaca o secretário de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Inovação, Ewerton Falk. Ele afirma que, o valor destinado para a reestruturação chega a R$ 1,7 milhão, prevendo um novo calçamento, bancos, iluminação, equipamentos urbanos e paisagismo. Anteriormente, o valor estimado era de R$ 700 mil. 

O aumento no valor ocorre, segundo Falk, pois a obra consiste também em reformular as galerias por onde passam as tubulações de água, esgoto, energia e reforçar as bases para refazer o sistema de recolhimento de água da chuva, impedindo que os empreendimentos do local sofram com alagamentos. De todos os detalhes que envolvem a reconstrução do calçadão, aquele que mais preocupa os lojistas é o tempo. Com as alterações no projeto, ele precisa passar por novos trâmites legais e aprovações. O que torna a data de início das obras uma incógnita.

Com um prazo aproximado de três meses para conclusão, existe o risco de o calçadão estar em obras no mês de dezembro, prejudicando o principal período do comércio no ano. A decisão de iniciar os trabalhos imediatamente após as liberações ou esperar janeiro para começar dividiu os lojistas. A empresária Marli Rigo informou que, nos próximos dias, deve ser marcada uma nova reunião com a prefeitura para definir o início da obra.

A PPP da obra do novo calçadão trata-se da contrapartida que a construtora responsável deve ao município por um empreendimento iniciado no Bairro Camobi. A lei prevê que obras de grande porte devem ter um retorno em área verde. Mas a Prefeitura buscou, junto ao Ministério Público e Tribunal de Contas, a liberação para que haja mudanças no objeto final daquilo que é repassado. O novo calçadão será o primeiro caso com esse tipo de contrapartida na cidade.