Rio Ibirapuitã mantém tendência de recuo em Alegrete

Rio Ibirapuitã mantém tendência de recuo em Alegrete

Presídio Estadual realizou doações aos afetados pela enchente

Fred Marcovici

Rio ibirapuitã ainda está 1,70 metros acima da cota de inundação

publicidade

As águas do rio Ibipuitã, em Alegrete, recuaram 10cm nas últimas 12 horas, medindo 10,10 metros, às 8h, desta quinta-feira fria e nublada (o pico alcançou 12 metros). Mesmo com a redução, o manancial ainda está 1,70 metros acima da cota de inundação.

De acordo com o coordenador da Defesa Civil, Renato Grande, a orientação é de que as 797 famílias, sendo 729 desalojadas e 68 desabrigadas, se mantenham onde estão devido ao alerta de temporais que ainda se mantém. O manancial atinge 2.328 pessoas diretamente. “O importante agora é higienizar as moradias e avaliar os estragos causados pela cheia”, diz Renato.

A Defesa Civil e secretarias municipais estão apelando à população por doações de alimentos, roupas, colchões, cobertores, material de higiene pessoal e limpeza. A contribuição pode ser feita pelos telefones (55) 99147-7276 ou (55) 3961-1606.

O Presídio Estadual de Alegrete, na tarde desta quarta-feira, doou 200 quilos de alimentos, além de roupas e cobertores, para suprir as necessidades do grande número de pessoas desabrigadas e desalojadas. A ação contou com a participação de todos os policiais penais do quadro operacional, administrativo e técnico da casa prisional. Os apenados também contribuíram por meio de familiares com parte dos donativos.

Em Uruguaiana, o rio Uruguai cresce lentamente. Nesta quinta-feira mede 6,44 metros, um aumento de 30cm se comparado com a medição de quarta-feira. A preocupação está voltada às chuvas registradas na nascente, localizada na divisa do Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Em Quaraí, o manancial media, às 18h desta quarta-feira, 2,40 metros (dentro do leito), mesma medição registrada pela manhã de ontem. As quatro famílias restantes, atingidas pela enchente, retornaram às residências ainda durante a tarde, conforme o coordenador da Defesa Civil, Bruno Soares.

Veja Também


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895