São Leopoldo emite estado de alerta após evolução da pandemia no município

São Leopoldo emite estado de alerta após evolução da pandemia no município

Comitê identificou aumento da ocupação de UTIs e da carga viral do coronavírus encontrada no esgoto da cidade

Stephany Sander

Comitê identificou aumento da ocupação de UTIs e da carga viral do coronavírus encontrada no esgoto da cidade

publicidade

O Comitê de Atenção ao Coronavírus de São Leopoldo emitiu um comunicado com estado de alerta para a situação do município, após reunião extraordinária realizada na manhã desta quinta-feira. A ação ocorre por conta da evolução dos casos, da taxa de ocupação dos leitos da UTI Covid no Hospital Centenário, que está em 94% e o aumento da carga viral encontrada no esgoto da cidade em mais de 2000% em um período de 20 dias. A quantidade de cópias genômicas por litro coletadas subiu de 73.190 (Cg/l), coletada em 11 de janeiro, para 1.535.990 (Cg/l), na amostra coletada no dia 1º de fevereiro.

O estudo é resultado do monitoramento ambiental do novo coronavírus em águas residuárias e de superfície do Rio Grande do Sul, através de uma pesquisa coordenado pelo Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), em parceria com o Serviço Municipal de Água e Esgoto (Semae) e outras intuições, como a Universidade Feevale e Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

O objetivo da pesquisa é investigar a disseminação do SARS-CoV-2 no sistema de esgoto em áreas de interesse da Vigilância em Saúde. Segundo o vice-prefeito e diretor-geral do Semae, Ary Moura, a ETE Vicentina, ponto da última coleta, atende cerca de 54 mil habitantes dos bairros Santos Dumont, Rio dos Sinos, São Miguel, Centro e Vicentina. “A pesquisa permite mensurar uma maior ou menor circulação do vírus na população que contribui para aquele esgoto. Se o vírus está presente no esgoto, consequentemente também pode estar presente nas águas do rio, arroios, açudes e afluentes, portanto quanto mais esgoto tratado, menos doenças são transmitidas à população”, destaca.

Pelo comunicado, a Prefeitura informa que irá intensificar as orientações aos cidadãos e ampliará a atuação na fiscalização de descumprimento dos decretos. A campanha de conscientização também será reforçada. “A situação segue crítica, afinal estamos num ritmo muito lento de vacinação no Brasil”, disse o prefeito Ary Vanazzi, na reunião. Na próxima terça-feira, o Comitê volta a se reunir para atualizar as regras de prevenção e distanciamento em São Leopoldo.  


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895