Simers alerta para a falta de médicos na Santa Casa de Misericórdia de Pelotas

Simers alerta para a falta de médicos na Santa Casa de Misericórdia de Pelotas

Atrasos recorrentes e falta de pagamento dos médicos afetam o funcionamento da instituição

Por
Angélica Silveira

Desde que haja profissionais no hospital a Santa Casa segue atendendo casos de urgência e emergência.


publicidade

O Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers) reclama de atrasos recorrentes e da falta de pagamentos dos médicos que trabalham na maternidade da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas.

“Há três meses de 2017 em aberto que estão sem perspectiva de pagamento e dois meses que os profissionais ainda não receberam em 2019. Foi realizado um acordo com a direção do hospital, a parcela em janeiro foi paga, mas a do mês passado ainda não foi quitada”, explica a diretora adjunta de interior do SIMERS, Daniela Correa Alba. Ela afirma que, como ocorreram estes atrasos, o quadro clínico da maternidade que deveria ter ao menos dez médicos hoje tem seis. “Muitos saíram pelo não pagamento. Temos sete dias na semana e ficam lacunas nos plantões de médicos pediatras e obstetras”, lamenta.


Desde que haja profissionais no hospital eles seguem atendendo casos de urgência e emergência. Para este final de semana há escalas contando com diretores médicos. “Isto é no improviso e não sabemos como será nos próximos fins de semana. É necessário que sejam contratados mais médicos. A prioridade é urgência e emergência. Caso não tenha médico e o paciente puder esperar será atendido somente no dia seguinte se houver profissional”, observa. Procurada, a direção do hospital disse, por meio de nota da assessoria, que está trabalhando para manter os serviços da instituição em funcionamento.