TSE cassa mandatos do prefeito e vice-prefeito de Seberi

TSE cassa mandatos do prefeito e vice-prefeito de Seberi

Bonadiman e Bueno foram condenados em razão da não identificação de recursos recebidos na campanha eleitoral de 2016

Agostinho Piovesan

publicidade

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por quatro votos a três, cassou os mandatos do prefeito de Seberi, Cleiton Bonadiman, e do seu vice, Marcelino Galvão Bueno. O julgamento ocorreu nessa quinta-feira através de uma videoconferência.

Os ministros reverteram a decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Rio Grande do Sul, que havia negado as cassações. Bonadiman e Bueno foram condenados em razão da não identificação de recursos recebidos na campanha eleitoral de 2016. O Ministério Público Eleitoral (MPE) argumenta que houve depósito de R$ 55.644,91, em espécie e sem origem definida, na conta de campanha dos candidatos, o que caracterizaria a irregularidade no recebimento dos valores, conforme estabelece o artigo 30-A da Lei das Eleições (Lei nº 9.504/1997).

Ao receber a notícias da cassação, o prefeito Bonadimann disse que aguarda o Acordom do TSE para recorrer da decisão através de embargos. Após a intimação, conforme o TSE, o presidente do Legislativo seberiense, Ismael Marcos Karpinski, deve assumir o Executivo do município do Norte do Estado.

Na tarde dessa quinta-feira, Bonadimann destacou as ações realizadas pela sua administração. “Recuperamos as finanças do município e realizamos muitas obras em favor da comunidade”, observa.

O vice-prefeito de Seberi, Marcelino Galvão Bueno, lamentou a decisão em Brasília e disse que ocorreu apenas um erro contábil na prestação de contas da campanha. “A Justiça eleitoral de Seberi não viu irregularidade e indeferiu o pedido do Ministério Público Eleitoral local e do TRE, em Porto Alegre também refutou os argumentos do MP, mas em Brasília tiveram posição diferente”, disse. “A atual administração municipal recuperou financeiramente as contas públicas e iniciou a execução de dezenas de outras e implementou muitas outras ações nas mais diversas áreas,” destacou Marcelino.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895