Defesas fazem últimos apelos a favor dos réus

Defesas fazem últimos apelos a favor dos réus

Período de duas horas foi dividido pelos advogados dos acusados pela morte de Bernardo

Henrique Massaro

Defesas fazem últimos apelos a favor dos réus

publicidade

Com o período de duas horas de tréplica, as defesas se intercalaram, no início da tarde desta sexta-feira, para fazer as últimas manifestações em relação a cada um dos quatro réus. A defesa de Leandro Boldrini, Rodrigo Vares, que foi a primeira a falar, defendeu a inocência do seu cliente. “Jamais ouvirão de minha parte qualquer menção desrespeitosa à memória do filho de meu cliente”, afirmou Rodrigo Vares. Considerou equivocada a atitude policial durante as investigações. “Partiu da premissa que ‘Leandro é um mau pai, não cuida, não fala com o filho, é frio, logo Leandro é culpado'. Premissas equivocadas”, enfatizou a defesa.

O advogado contariou o discurso de que Leandro Boldrini não procurou a polícia de imediato por ser culpado. Segundo representante, se fosse culpado, o réu iria à delegacia para parecer inocente. “Não há como os senhores afirmarem sim à acusação de Leandro Boldrini em todos os crimes que lhe foram imputados”, assegurou advogado aos jurados. No término, os advogados de Leandro o chamaram para a frente dos jurados e afirmaram: “a opinião pública está entre vós, expulsai-a, essa intrusa”, fecharam.

O segundo a manifestar-se foi Vanderlei Pompeo de Mattos, advogado de Graciele Ugulini. “Estamos em frente, com certeza, de um homicídio culposo”, afirmou ele, que quer mudar a acusação à Graciele, que é acusada por homicídio doloso. “Estou aqui defendendo aquela guria lá, minha conterrânea de Santo Augusto. Que pague, mas pague o que deve. Não venham colocar inflação”, afirmou Pompeo de Mattos.

Gustavo Nagelstein e Jean Severo, advogados de Edelvânia Wirganovicz, falaram na sequência. “Nem sempre o Ministério Público, com essa gana de colocar todo mundo a cadeia, está certo”, questionou Nagelstein. “É evidente que a Edelvânia e o Evandro, em hipótese nenhuma, se todos condenados, não podem receber as mesmas penas que o pai e a madrasta”, apontou o advogado. Nagelstein finalizou a defesa afirmando que sua cliente deve ser condenada pelo crime de ocultação de cadáver, mas absolvida do homicídio. Tese da defesa é de que isso também seria uma maneira de garantir a ré uma pena menor do que a de Leandro Boldrini e Graciele Ugulini.

A última manifestação da defesa foi de Luiz Geraldo Gomes, advogado de Evandro Wirganovicz. "O crime é bárbaro, quem fez tem que ser culpado, mas não podemos submeter aquele (Evandro) que está lá a uma realidade dessas Não há qualquer vinculação da presença dele no processo", ressaltou Gomes. O advogado contestou as acusações que tentam incluir o seu cliente no crime. Além de Evandro, seu advogado Luiz Geraldo Gomes chorou ao falar que seu cliente está preso há cinco anos “com base em nada”.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895