Acesso de empresas de Porto Alegre ao Simples Nacional sofre mudanças
capa

Acesso de empresas de Porto Alegre ao Simples Nacional sofre mudanças

Empreendedores não precisam mais apresentar alvará de localização e funcionamento para aderir ao regime tributário

Por
Correio do Povo

Medida contribui para que empreendedores e empresários não precisem deixar o isolamento social


publicidade

As micro e pequenas empresas de Porto Alegre não precisam mais apresentar, a partir desta quarta-feira, o alvará de localização e funcionamento para ingressar no Simples Nacional. A decisão, publicada na edição de hoje do Diário Oficial de Porto Alegre (Dopa), busca desburocratizar o processo de inclusão delas nesse regime tributário. Essa é uma das medidas adotadas pela Receita Municipal da Secretaria da Fazenda frente a pandamia de Covid-19.

“Neste momento de crise, estamos buscando todos os meios possíveis para facilitar o trabalho dos empreendedores e empresários da cidade, sem abrir mão do isolamento social. O fim da exigência de alvará não resolve todos os problemas, mas certamente dá impulso para aqueles micro e pequenos empreendedores que desejam se enquadrar no Simples Nacional”, explicou o prefeito Nelson Marchezan Júnior.

Até então, a Prefeitura de Porto Alegre exigia a apresentação dos alvarás como um pré-requisito para autorizar o ingresso no Simples Nacional. Agora, os empreendedores interessados precisarão apenas apresentar seu número no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), obtido por meio da Junta Comercial, Industrial e de Serviços do Rio Grande do Sul (Jucis-RS).

A medida é válida para os empreendedores que manifestaram interesse em ingressar no Simples Nacional desde o dia 1º de janeiro de 2020. Também abrange empresas em início de atividade que ainda estiverem no prazo para formalizar a opção pelo Simples Nacional. Em ambos os casos, aquelas que já tiveram seus pedidos indeferidos apenas por ausência de alvará poderão recorrer e pedir uma revisão até o dia 17 de maio.

“Vale lembrar que o prazo de inclusão no Simples Nacional foi reduzido de 180 para apenas 60 dias (a contar da formalização do CNPJ). Nesse contexto, o fim da exigência do alvará representa um salto de agilidade para os empreendedores, que poderão optar por esse regime tributário logo depois de obter o CNPJ”, apontou o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico (SMDE), Leandro Balardin.

Segundo ele, o fim da exigência não terá impacto negativo para a prefeitura. “Nós apenas facilitamos a inclusão no Simples Nacional. Independentemente disso, os alvarás de funcionamento e localização continuarão sendo exigidos das empresas que vierem a desempenhar suas atividades no município”, diz Balardin.


Atualmente, só no Rio Grande do Sul, há 151,5 mil empresas de micro e pequeno portes incluídas no Simples Nacional. A maioria delas (54,5%) são do tipo microempresa individual (MEI). Outras 37,3% são do tipo Micro Empresa. As atividades vão desde salões de beleza até comércio varejista de vestuário, obras de alvenaria, lanchonetes e promoção de vendas, entre outras.