Advogada da Iesa é notificada sobre decisão que impede demissões

Advogada da Iesa é notificada sobre decisão que impede demissões

Representante da empresa procurou a comarca para tratar de outro processo

Samuel Vettori / Rádio Guaíba

publicidade

A Vara do Trabalho de São Jerônimo notificou a Iesa Óleo & Gás das duas liminares da juíza Lila Paula Flores França, da comarca do município. Uma delas suspende as demissões de mil trabalhadores na filial da empreiteira em Charqueadas. A outra põe os funcionários em licença remunerada até que haja uma negociação sobre o desligamento em massa. A certidão foi assinada no início da tarde desta terça-feira por uma advogada da empresa, que esteve na sede da Justiça, mas para uma audiência de outro processo.

Leia mais sobre o caso da Iesa

Após tentativas frustradas de notificação, a magistrada entendeu que a empresa vinha dificultando o recebimento da decisão. Assim, determinou o bloqueio de R$ 30 milhões em contas bancárias da Iesa, da Petrobrás e do Consórcio Tupi/BV para garantir o pagamento dos direitos dos trabalhadores. Ela também ordenou o sequestro de bens existentes no pátio da Iesa, especialmente os compressores da Petrobras.

Nesta terça-feira, o grupo Inepar, proprietário da Iesa de Charqueadas, ingressou com um plano de recuperação judicial na comarca de São Paulo. Entre as propostas está a emissão de títulos de crédito conversíveis em ações para arrecadar valores. Na cláusula que se refere a créditos trabalhistas, o plano prevê que os valores de salários atrasados nos últimos três meses devem ser pagos em até 30 dias. Para ter validade e se iniciar a contagem desse prazo, o plano precisa ser aceito pelos credores da Iesa.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895