Anfavea quer em acordo proibição ou redução de importação de carros pelo Paraguai
capa

Anfavea quer em acordo proibição ou redução de importação de carros pelo Paraguai

Expectativa é que acerto entre os dois países seja anunciado esta semana em Bento Gonçalves

Por
AE

Anfavea deseja que em acordo de Brasil e Paraguai haja limite de importação

publicidade

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) pediu ao governo brasileiro que o acordo que tem sido negociado com o Paraguai inclua uma proibição - ou uma redução gradual - das importações de carros usados que os paraguaios fazem de outros países.

Brasil e Paraguai têm negociado um acordo bilateral para o setor automotivo e há a expectativa de que o acerto seja anunciado nesta semana, em Bento Gonçalves, onde ocorre reunião da cúpula do Mercosul.

A principal reclamação das montadoras instaladas no Brasil é que a importação de carros usados feita pelo Paraguai, de outros países, tira mercado de carros brasileiros que poderiam ser exportados para lá. "É muito forte a importação de veículos pelo Paraguai, principalmente da Ásia. Há casos de veículos com mais de dez anos de uso, com direção do lado de direito, que passa para o esquerdo depois de uma adaptação. São coisas da América Latina", disse o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes.

Segundo o executivo, o Paraguai importa cerca de 70 mil carros usados por ano. "É um volume que poderia ser de veículos novos exportados pelo Brasil", afirmou o executivo, durante coletiva de imprensa da Anfavea.

Moraes disse que a Anfavea tem dado suporte técnico ao governo brasileiro nas negociações. Reconheceu, contudo, que o Paraguai é um mercado menor que a Argentina, principal destino das exportações do Brasil e que passa por uma crise. "Mas é um mercado importante e tem condições gerais muito próximas da de outros países", disse.